Taller Internacional de Software Educativo

TISE97

Trabajo:

O Uso de uma Interface WWW para o ConVer: Uma Ferramenta de Apoio ao Ensino da Conjugação Verbal da Língua Portuguesa

 Autores :

Marco Antônio Alba Winckler ] , Emiliano Gomes Padilha B
José Valdeni de Lima G
[winckler, emiliano, valdeni]@inf.ufrgs.br

 Abstract

We present an experiment of the use of WWW to help teaching the verb conjugation, an important part of the primary school learning of the Portuguese language. A WWW interface was developed to access ConVer, a program which generates this conjugation automatically. The paper presents: the programís interface, its resources, an hiperdocument schematizing the structure of the verbal conjugation, and an experiment of its use by students.

Resumo

Apresentamos uma experiência de utilização da WWW para auxiliar o aprendizado da conjugação verbal, uma parte importante do ensino primário da língua portuguesa. Foi desenvolvida para o ambiente WWW uma interface de acesso ao ConVer, um programa que gera a conjugação verbal automaticamente. O artigo apresenta: a interface do programa, seus recursos, um hiperdocumento esquematizando a estrutura da conjugação verbal, e uma experiência de utilização por alunos.

Palavras-chave: interfaces na WWW, hiperdocumentos, ensino à distância.

1. Introdução

O uso de hiperdocumentos na educação não é novidadeidade. Inúmeras pesquisas têm sido realizadas para definir a utilização de tutoriais e material didático com hiperdocumentos. Os atuais sistemas de hiperdocumentos suportam estruturas não-lineares de navegação permitindo criar diversos caminhos de acesso para uma mesma informação, recursos multimídia (sons, gráficos e imagens) e animações para simular experiências impossíveis de realizar em livros tradicionais [2].

A World Wide Web (WWW) trouxe um grande avanço ao permitir um ambiente uniforme de troca de hiperdocumentos numa rede distribuída. Uma das áreas com maior potencial para aproveitar a capacidade da WWW é, sem dúvida, a educação [8], e mais especificamente, a educação à distância.

Porém, a linguagem HyperText Markup Language (HTML) [3] utilizada na WWW apresenta algumas limitações para a criação de interfaces interativas, como descrito em [10]. A interatividade suportada pela WWW está baseada no paradigma request/response para a troca de informações entre o cliente (browser) e o servidor [11]. O cliente pode enviar dados através das páginas HTML usando formulários e links que direcionam a saída aos programas específicos localizados no servidor. Estes programas processam os dados enviados e podem retornar informações ao cliente como resposta.

Técnicas mais sofisticadas, como plug-ins Active-X, Java e Java-Script acrescentam maior interatividade às interfaces, mas aumentam a complexidade da implementação e exigem um conhecimento muito técnico para sua utilização [10].

Como forma de minimizar a complexidade das interfaces WWW para o uso comum de educadores, propôs-se explorar os recursos interativos da especificação HTML para produzir ferramentas de experimentação.

Com este objetivo um estudo de caso foi desenvolvido para o ConVer, um programa que gera a conjugação verbal portuguesa automaticamente. ConVer é uma ferramenta desenvolvida em Prolog [1] oriunda de um trabalho iniciado por Padilha [6], com o objetivo de reconhecer e gerar as várias flexões dos verbos da língua portuguesa. A partir de uma simples especificação léxica (tal como o infinitivo de cada verbo), o programa pode gerar verbos nos diversos tempos, modos, pessoas e formas. Ele tem como aplicações dicionários eletrônicos e processadores de linguagem natural. Logo percebeu-se também uma vocação educacional como auxiliar ao ensino da conjugação verbal da língua portuguesa.

Foi desenvolvida uma interface para o ConVer na WWW mais amigável e efetivamente uma ferramenta de apoio ao ensino. Esta interface é genérica de modo que é possível utilizar diferentes páginas HTML de entrada para o programa. O professor pode criar páginas de acordo com suas necessidades, acessando os recursos do programa.

Na seção 2 é feito um breve comentário sobre a importância da conjugação verbal. A seção 3 descreve a funcionalidade do ConVer e sua interface. Na seção 4, apresentamos resultados de uma experiência realizada com a utilização do programa por alunos. Por fim, a seção 5 expõe algumas conclusões.

2. A Conjugação Verbal

A escolha do ConVer para este trabalho reside na importância da conjugação verbal para o ensino da língua portuguesa. A aprendizagem da conjugação verbal é considerada difícil pela grande variedade de formas verbais, número de exceções e irregularidades, existentes nos verbos mais freqüentes da língua.

Tradicionalmente este ensino é feito com o uso de livros onde apresentam-se algumas noções de tempos e modos e uma relação de verbos já conjugados. O aluno, por observação destas conjugações e por seu próprio conhecimento lingüístico, estabelece seu modelo mental [7, 9] durante o aprendizado, ou acaba por decorá-las. Posteriormente, ele é requisitado a exercer a conjugação de outros verbos e comparar com as do livro. O inconveniente desta forma de ensino é limitar o número de verbos àqueles contidos no livro.

Por isso, o uso de um software que mostre a conjugação verbal poderia ser útil no processo de ensino-aprendizagem, pois daria ao aluno maior familiaridade com o assunto, além de estimulá-lo a explorar por conta própria outros verbos, a fim de explorar as diferenças. A geração automática da conjugação verbal possibilitaria ao professor ilustrar suas explicações diretamente através de exemplos, variados e de maneira fácil e prática.

3. A Interface do ConVer

Podemos distinguir dois componentes nesta proposta de ensino à distância da conjugação verbal. O primeiro são páginas HTML explicativas, como um tutorial, que apresenta um conteúdo semelhante ao de um livro convencional com as regras de conjugação. Este tutorial, a ser desenvolvido pelo professor, relaciona os tópicos que o aluno está estudando, possibilitando-o navegar através de seus links.

Este tutorial pode conter formulários e links para a entrada de dados pelo usuário. Através dele o aluno poderá especificar o verbo que será conjugado pelo programa. Há diversas páginas-exemplo com diferentes formas de entrada de verbos e outras informações sobre a conjugação verbal.

O segundo componente é o programa (ConVer) propriamente dito, que processa a conjugação verbal especificada através de formulários e links na interface. Os componentes podem ser vistos na Figura 1.

 

 

Figura 1. Componentes da Interface do ConVer

 

Pela figura 1 podemos observar que diversas páginas podem ser construídas para acessar os recursos do ConVer. Isso pode ser visto em algumas das páginas que foram construídas como exemplos de interface. A figura 2 mostra uma das versões, baseada em formulários.

 

Figura 2. Versão de formulário de entrada para o ConVer

 

Os formulários de acesso ao ConVer podem ser ainda mais simples, como uma única caixa de texto onde o usuário escreve o verbo que deseja conjugar, ou ainda apenas links direcionados para o programa conjugar determinados verbos. Por exemplo, ao selecionar o verbo amar na figura 3 (link sublinhado), toda a conjugação deste verbo é apresentada.

 

Figura 3. Versão com links e campo de texto.

 

Essas facilidades de construção das páginas, portanto, podem ser adaptadas plenamente para atender às necessidades de ensino e características de design das páginas. Como a WWW permite aos usuários indicar endereços remotos, podemos imaginar que qualquer um, professor ou mesmo aluno, crie suas próprias páginas personalizadas para dispor deste recurso, bastando apenas ter um computador, conexão com a Internet e uma ferramenta de navegação (browser).

Outro recurso implementado no programa foi a possibilidade de conjugar mais de um verbo de cada vez. Isto permite que o aluno possa ver as flexões de verbos regulares, irregulares e defectivos lado a lado, dando margem a comparações. A figura 4 apresenta este caso com a conjugação dos verbos estudar (regular), saber (irregular) e reaver (defectivo derivado de haver).

Figura 4. Conjugação dos verbos estudar, saber e reaver.

 

ConVer conhece as regras para a conjugação dos verbos regulares e as irregularidades existentes, de modo conjugá-los corretamente. Para cada solicitação, uma nova conjugação verbal é feita; o programa não guarda todas as flexões verbais. Ele também permite ao usuário criar verbos que não existem, utilizando as regras de conjugação gramaticais. Esta característica é importante para frisar ao aluno que não há necessidade de decorar a conjugação dos verbos, que é a tendência com o método tradicional de ensino. Esta é uma das maiores vantagens do processo interativo de aprendizagem, provido pela utilização de hiperdocumentos num ambiente como a WWW.

Vamos supor que um professor estivesse ensinando seus alunos apenas o modo indicativo. Ele poderia criar um hiperdocumento explicando o conteúdo e as regras do modo indicativo, e facilmente adaptar a interface do programa para que se conjugue apenas verbos deste modo. Adicionalmente, ele poderia adotar tal hiperdocumento como livro texto e observar o acesso dos seus alunos às páginas, avaliando assim o tempo que o aluno dedica ao estudo. Desse modo, o professor poderia ir incrementando continuamente o hiperdocumento com conteúdo e disponibilizando este material para que seus alunos pudessem utilizá-lo remotamente, na escola ou em casa.

A criação de páginas HTML pode ser aprendida facilmente, mesmo para iniciantes. Pode-se ainda contar com facilidades de editores específicos que auxiliam esta tarefa. Um tutorial sobre HTML pode ser encontrado em [3], e dicas e sugestões para a criação de novas páginas e interfaces para o ConVer podem ser facilmente encontradas a partir do endereço dado abaixo.

Todas as páginas com as interfaces exemplo para o ConVer e o tutorial sobre a reguralidade da conjugação (verbos irregulares, outras irregularidades, etc.) podem ser encontradas a partir do seguinte endereço WWW:

http://www.inf.ufrgs.br/~emiliano/conver/

4. Experimento

Para descobrir o interesse e a interatividade suportada pelo uso da interface proposta para o ConVer, elaborou-se um experimento preliminar com turmas da sétima série do primeiro grau do Colégio de Aplicação da UFRGS. O objetivo era medir a adaptação dos alunos ao uso do programa e qual a influência exercida.

4.1 Os Alunos

Duas turmas num total de 70 alunos participaram do teste voluntariamente. O intervalo de idade ficou entre 12 a 15 anos (média de 12,7 anos).

É importante caracterizar este grupo de usuários porque certamente eles não compõem um grupo representativo. O Colégio de Aplicação da UFRGS é um entidade mantida com recursos da união e se encontra bem equipada com laboratórios de informática com acesso à Internet. O ingresso nesta escola é feito com exame de admissão.

4.2 O Teste

Foram aplicados dois tipos de testes. Inicialmente os alunos preencheram um questionário que procurava avaliar seu conhecimento sobre computadores, Internet, a língua portuguesa e a conjugação verbal. A seguir eles realizaram um teste de livre exploração, e então voltaram ao questionário onde deveriam comentar suas impressões.

Para cada turma de 35 alunos foi conduzido um experimento em separado. Os alunos foram distribuídos em grupos de três por computador onde puderam explorar a interface por 25 minutos. Isto permitiu-nos observar o grupo conversando sobre suas experiências, o que seria mais difícil de ser avaliado individualmente ou em tarefas dirigidas [5].

O teste foi realizado no laboratório da escola onde eles já estão bem habituados a estudar, constituindo-se num ambiente real de ensino. O professor esteve presente todo o tempo, ajudando a conduzir a experiência.

4.3 Resultados

Apenas 3 alunos não retornaram o questionário. Eles demonstraram estar bastante familiarizados com os computadores da escola; 64% possuem computador em casa, e 65,7% afirmam gostar de utilizá-los. Com relação à internet, 95,5% já utilizaram algum recurso, e o serviço mais conhecido é o chat (40%).

Com relação ao estudo da língua portuguesa, 17,9% afirmam não gostar, 73,1% apreciam, e 9% não tinham opinião. Além disso, 43,3% disseram não gostar de estudar a conjugação verbal antes da experiência com o ConVer, 49,2% gostam e 7,5% não tinham opinião a respeito.

Após a experiência com o ConVer, 98,5% dos alunos demonstraram satisfação em utilizá-lo. Apenas um aluno informou não gostar da experiência e dois (3%) afirmaram não querer utilizá-lo novamente. Outros dois indagaram se poderiam ver as páginas de casa e anotaram o endereço na WWW.

A observação dos alunos permitiu-nos extrair informações valiosas sobre o uso de aplicações como essa na WWW:

No início do teste, os alunos forneciam verbos simples para o programa, logo estavam criando seus próprios verbos e testando outras palavras, tais como substantivos e frases completas, que obviamente retornavam em erro. Este fato demonstra a importância da experimentação no ensino.

É importante ressaltar que este experimento não foi inserido num contexto de aula, ou seja, não tivemos a preocupação de prepará-lo de maneira didática para os alunos. O objetivo foi simplesmente observar a reação deles. O texto preparado como tutorial mostrou-se muito técnico, não tendo um conteúdo "amigável" para os alunos.

Como resultado, os alunos utilizaram o programa durante algum tempo com bastante interesse, em torno de 15 minutos. Após isso, demonstraram-se satisfeitos com a experiência. Também não houve muito interesse pelo texto, que era lido superficialmente. Eles detiveram-se mais tempo nos formulários e links de interface para o ConVer.

5. Conclusões

Com o uso cada vez mais comum do ambiente WWW, a disponibilização de softwares educacionais neste tipo de ambiente se mostra uma forma promissora no processo de ensino/aprendizagem. Uma das razões para esta afirmação se deve ao interesse demonstrado pelos alunos durante o experimento.

Ferramentas de experimentação como o ConVer podem ajudar a tornar este ensino mais interativo e interessante até mesmo disciplina consideradas maçantes como a língua portuguesa.

A experiência das diferentes interfaces para o programa mostra-se importante para dar flexibilidade aos educadores em adaptar o material de ensino. A experimentação com os alunos trouxe-nos informações valiosas. Podemos concluir com este experimento:

Apesar das limitações de interatividade impostas pela WWW, consideramos que ferramentas simples podem ser implementadas para dar suporte à experimentação. O uso de dados através formulários e links é suficiente para promover um estímulo significativo durante o processo de ensino-aprendizagem.

A linguagem HTML pode ser facilmente aprendida por educadores de modo que encontra-se muito mais próxima à realidade de implementação em nossas escolas.

O experimento foi realizado sem nenhum treinamento prévio dos alunos, de modo que não foi inserido dentro de um contexto de aula. Um dos trabalhos futuros será preparar o material para dar treinamento antes da utilização, estabelecendo regras para a avaliação de desempenho com a utilização da ferramenta.

Os professores do colégio de Aplicação da UFRGS que acompanharam os testes mostraram-se interessados pelo trabalho proposto. Pretende-se continuar algumas pesquisas para ajudá-los a adaptar o material de modo a que venha a ser realmente utilizado na escola.

Nesta fase da pesquisa não tivemos a preocupação de adaptar as interfaces para fins especificamente pedagógicos e sim explorar as diferentes formas de interface para o ConVer. Esta preocupação será um trabalho futuro onde pretende-se também minimizar os problemas de usabilidade encontrados nestas interfaces através de testes com usuários e avaliadores heurísticos como proposto em [4].

Agradecimentos

Agradecemos aos alunos da sétima série do Colégio de Aplicação que participaram do teste, e em especial ao prof. Tadeu Rossato Bisognin pela atenção indispensável, sem a qual os testes não seriam possíveis. A Fábio Nemetz, pelas suas valiosas sugestões, e Fabiane Nardon pelas correções.

6. Bibliografia

[1] Coelho, H. e Cotta, J. C. Prolog by Example. Springer-Verlag, Berlim, 1988.

[2] Maenza, R. R. Hipertexto como ferramenta de apoio no processo de Ensino-Aprendizagem. Dissertação de Mestrado. Porto Alegre: Instituto de Informática UFRGS, 1994. 199 P.

[3] NCSA - A Beginnerís Guide to HTML. Disponível em 27 de fevereiro de 1997 no endereço WWW:

http://www.ncsa.uiuc.edu/General/Internet/WWW/HTMLPrimerAll.html

[4] Nemetz, F.; Winckler, M. A. A.; de Lima, J. V. Evaluating Evaluation Methods for Hypermedia Applications. Short Paper publicado na seção Poster do ED-MEDIA & ED-TELECOM 97.

[5] Nielsen, J. Guerrilla HCI: Using Discount Usability Engineering to Penetrate the Intimidation Barrier. Disponível por http em: www.useit.com/papers/guerrilla_hci.htm (Fev.97)

[6] Padilha, E. G.. Conjugação e Composição Verbal da Língua Portuguesa. Trabalho de Diplomação. Porto Alegre: CIC da UFRGS, 1993. 122 P.

[7] Papert, S. A máquina das crianças Ė repensando a escola na era da informática. Artes Médicas, Porto Alegre, 1994.

[8] Proceedings of the World Conference on Educational Multimedia and Hypermedia, AACE, 1997 , 13-19 de Junho, Calgary, Canadá.

[9] Proceedings of the 8th International PEG Conference, PEG97, 1997, 30-1º de Junho, Sozopol, Bulgária.

[10] Rice et al. Using the Web Instead of a Windows System. ACM CHIí96 Vancouver, Canadá 1996.

[11] Streit, R. E. Acesso a Banco de Dados Relacionais via WWW: estudo de alternativas e propostas de ferramentas. Porto Alegre abril 1996. Dissertação de mestrado. Disponível em: http://tucano.inf.ufrgs.br/~rosalvo/wing.html