CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA
DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA

Cristina Vermelho, Glaucia da Silva Brito, Ivonélia da Purificação
brito@educacao.ufpr.br

edumidia@netpar.com.br

  Introdução

Partimos do entendimento de que informática aplicada a um processo educacional, consiste no uso da tecnologia da informação, ou seja de informações armazenadas em meio magnético, para o desenvolvimento de atividades educativas, individuais ou coletivas, com o objetivo de ampliar as possibilidades de acesso e manipulação das informações, como também de desenvolvimento e aprimoramento dos processos cognitivos através de softwares ou hardware.

Não se trata do uso do computador exclusivamente, nem mesmo do seu uso num ambiente reservado dentro da escola. A informática aplicada a educação pressupõe a incorporação deste novo paradigma tecnológico perpassando por todos as atividades e espaços escolares e sendo incorporada por todos os sujeitos que interagem neste ambiente.

O ponto de partida deste processo é o organizador da atividade escolar: o professor. O processo de incorporação desta tecnologia no trabalho do professor deve ser efetivado em fases. Inicialmente, o professor necessita ter contato com esta tecnologia de uma forma voltada fortemente para o seu cotidiano. Este é um pré-requisito para que o processo de incorporação desta tecnologia se dê efetivamente, caso contrário, o processo será artificial e superficial, onde o professor se limitará a utilizar alguns jogos para desenvolver algumas habilidades ou reforçar alguns conteúdos.

O computador para desenvolver habilidades ou reforçar conteúdos pode ser utilizado dentro de um conjunto mais amplo de atividades, em momentos pontuais no processo de ensino/aprendizagem. O professor tem que estar capacitado para atuar nestes momentos, e também ter condições de pensá-los no contexto geral do seu trabalho

A educação hoje, já não pode mais manter-se somente como acadêmica ou profissionalizante, por isso necessitamos de professores que conheçam o sistema produtivo e principalmente as inovações tecnológicas SAVIANI (1991), portanto o professor deve sempre procurar a atualização profissional quanto pessoal.

Para esta atualização, segundo BRITO e VERMELHO (199 ), o professor deverá também utilizar o computador, que poderá ajudá-lo na elaboração de materiais de apoio, bem como ser um valioso recurso para o ensino de diversas disciplinas do currículo, seja em sala de aula, num trabalho coletivo, seja na dinâmica do trabalho desenvolvido no laboratório.

Nesta discussão, cabe aqui fazermos uma constatação. Escolas tanto públicas como particulares, com algumas raras exceções, têm se preocupado muito com questões técnicas (hardwares e softwares), deixando de lado o elemento central de qualquer ato pedagógico que é o professor. Em muitas destas situações, a escola acaba responsabilizando o professor pelo fracasso do projeto, pois imaginavam que com um curso de 20, 40 horas eles sairiam usando esta tecnologia no seu cotidiano. A incorporação desta tecnologia no fazer diário do professor é bem mais complexa e depende de inúmeras outras variáveis durante o processo de implantação do laboratório de informática.

Nenhuma intervenção pedagógica harmonizada com a modernidade e os processos de mudanças que estão implícitos, será eficaz sem a colaboração consciente do professor e sua participação na promoção da emancipação social. FREIRE (1994) diz que não há ensino de qualidade, nem reforma educativa, nem inovação pedagógica, sem uma adequada formação de professores.

Segundo Cristina Azra Barrenechea, em troca de correspondência via correio eletrônico (email: cab214@is6.NYU. EDU), em Nova York numa pesquisa realizada pelo Office Technology Assessment o maior obstáculo para a adoção de computadores nas escolas foi a falta de capacitação prévia dos professores para saber como utilizar esta nova ferramenta de trabalho e, principalmente como introduzir o uso do computador no currículo.

Elemento humano responsável pelo ambiente de aprendizagem, origem das interações e inter-relações entre os indivíduos participantes do ambiente educacional, testemunhas de outras mudanças e experiências, condicionado por uma educação do passado e marcado por ela, o professor deverá, segundo DEMO (1993, p.19), firmar um novo compromisso com a pesquisa, com a elaboração própria, com o desenvolvimento da crítica e da criatividade, superando a cópia, o mero ensino e a mera aprendizagem, uma postura que deverá manter quando estiver trabalhando num ambiente informatizado.
 

No que consiste a capacitação

 
Núcleo Básico
Acesso aos códigos da informática ou da informação armazenada em meio magnético. Desmistificação do processo através de atividades práticas no "ambiente Windows".
 
  Tipo de Atividade Oficinas práticas permeadas por conceitos e processos. Essas oficinas deverão ser definidas pelo grupo a partir das suas atividades cotidianas, seja na de sala de aula, seja em extra-classe. O importante é começarem a perceber onde, por que e como a tecnologia da informação poderá auxiliá-los até mesmo melhorar suas atividades.
 
  Softwares Educativos Este processo deverá ter como diretriz não o treinamento de uso de determinados softwares, mas o conhecimento e/ou contado com as estratégias de uso para os vários tipos de softwares.

Por exemplo: se tem-se como objetivo desenvolver atividades que envolvam o processo de memorização, o professor deverá ser capaz de escolher entre vários softwares aquele que melhor se adequará aos seus propósitos e como esse software poderá ser incorporado nas suas atividades. Na realidade o software entra dentro de um processo mais amplo de trabalho com seu momento bastante definido e com objetivos específicos.
 

Tipo de Atividade

Oficinas com grupo de professores onde serão manuseados vários tipos de software. Apresentação das várias formas de aquisição de softwares via: Internet, Shareware, BBS’s, etc.
 

Atividades Avançadas Desenvolvimento de softwares educativos através de linguagens de fácil acesso pelos professores. Este deve ser o horizonte a ser almejado, mas não pretendido nesta primeira etapa.
 
  Softwares e Hardwares A perspectiva deverá ser a utilização desta tecnologia junto com as outras já existentes, criando na realidade um ambiente de multimeios, onde vídeos, televisão, brinquedos, jogos educativos, computadores são integrados em diversas atividades. Nada impede que numa aula, o professor recorra a outros meios para uma mesma atividade.

Faz-se necessário uma apresentação aos professores de conceitos básicos sobre os seguintes recursos ou áreas:

Consideramos que as áreas, citadas acima, não deverão ser aprofundadas, no entanto é necessário que o professor seja motivado a conhecer com consistência as seguintes temáticas: Metodologia Aplicada Para o período posterior à capacitação, possibilitar a continuidade do processo através de: REFERÊNCIAS
 
  BRITO, Glaucia e VERMELHO, Cristina. O usuário professor. O Estado do Paraná, Curitiba, 13 out. 1996.

DEMO, Pedro. Desafios Modernos da Educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993.

FREIRE, Paulo. Educação e Mudança. 20. ed. São Paulo: Cortez, 1994.

SAVIANI, Demerval. Pedagogia Histórico-crítica: Primeiras Aproximações. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1991.