-CODE WEB -
Site WWW para apoio ao trabalho cooperativo em Operações Unitárias da Engenharia Química

MÁRA LÚCIA FERNANDES CARNEIRO
KATIA BARBOSA SAIKOSKI
ELISA BOFF
DENISE TRUCCOLO
RENATA SCARPARO
 

PUCRS - Escola Politécnica / Instituto de Informática
Av. Ipiranga, 6681 - prédio 30 - sala 160
90619-900 - Porto Alegre - RS - Brasil
mara@eq.pucrs.br



Este artigo apresenta a proposta de um projeto multidisciplinar para especificação e desenvolvimento de um ambiente WWW para apoiar o aprendizado de Operações Unitárias da Engenharia Química.

O ambiente, denominado CODE WEB (COlunas de DEstilação), foi desenvolvido em três módulos: teórico, prático e de acompanhamento. O módulo teórico apresenta aos alunos conceitos sobre Operações Unitárias. O módulo prático, baseado no software SINCO (Sintetizador de Colunas de Destilação), possibilita o projeto de uma coluna de destilação. E, finalmente, o módulo de acompanhamento proporciona ao professor uma forma de criar grupos de estudo, sendo possível visualizar o andamento dos alunos, bem como possibilitar a interação entre eles.
 


Introdução

A Informática aplicada à Educação não é algo novo. As primeiras idéias e experimentos remotam da década de 40 [MOR93] . No Brasil, estas idéias surgiram na década de 60 e, nos últimos dez anos, tem-se observado uma grande divulgação da área. Os usos são os mais diversos e os resultados também. Diversos grupos de pesquisadores no país e exterior trabalham em várias sub-áreas: software educacional, formação de recursos humanos, entre outros.

Muitos destes grupos estão investigando a aplicação dos recursos disponibilizados pela tecnologia de redes de computadores e do aparecimento da Internet, como por exemplo [KUC96], [HOB96], [MAR96] e [PGI97]. Para tanto, estão utilizando o conceito de Universidade Virtual e resgatando a idéia de Educação à Distância, agora sob uma nova versão em face aos recursos tecnológicos disponíveis.

O uso da Internet permite a disponibilização de informações através da rede e vem provocando mudanças nos processos nas mais variadas áreas do conhecimento. Educação, ensino e pesquisa também observam estas mudanças e procuram explorar as potencialidades destas tecnologias.

Dentro desta tendência de utilizar o potencial dos recursos tecnológicos para fins educacionais, e tendo como base o trabalho desenvolvido por [CAR96], foi proposta a criação de uma estrutura que permitisse o desenvolvimento de um trabalho cooperativo através da Internet, envolvendo os alunos da disciplina de Operações Unitárias da Indústria Química.

O projeto, denominado CODE WEB - Site WWW para apoio ao trabalho cooperativo em Operações Unitárias da Engenharia Química, foi desenvolvido na forma de hipertexto, utilizando ambiente WWW e contém três módulos principais: prático, teórico e de acompanhamento. O módulo prático contém a adaptação do software SINCO (SINtetizador de COlunas)[CAR96] para o ambiente WWW. O módulo teórico contém os conceitos teóricos relevantes ao estudo de "Operações Unitárias" e seus processos de separação, incluindo o processo de destilação, que pode ser sintetizado pelo softwareSINCO. E, por último, é oferecido o módulo de acompanhamento, que tem por finalidade a interação entre alunos e professor. Através deste módulo um aluno pode se cadastrar em um grupo e gravar os resultados obtidos na utilização do SINCO. Os resultados dos exercícios realizados pelos alunos só podem ser acessado pelo professor do grupo, que, assim, pode acompanhar o desempenho de vários estudantes, numa perspectiva hoje considerada como Educação à Distância. Além disso, o supervisor pode também propor exercícios para auxiliar o aluno na utilização do SINCO.

A motivação para o desenvolvimento do projeto surgiu a partir do interesse da professora Mára Lúcia Carneiro em ampliar os recursos metodológicos utilizados na disciplina de Operações Unitárias da Indústria Química, do curso de Engenharia Química da PUCRS. O CODE WEB é parte integrante do projeto Weq Net - Site WWW para o ensino de Engenharia Química [SAI 97].
 
 

Informática na Educação

A informática educativa no Brasil tem suas raízes históricas plantadas na década de setenta, quando, pela primeira vez, em 1971, se discutiu o uso de computadores no ensino da física, em seminário promovido pela Universidade de São Carlos, assessorado por um especialista da Universidade de Dartmouth/USA [MOR 93]. E desta forma, a partir de setenta, o Brasil definiu-se pelo caminho da informatização da sociedade.

É indiscutível, portanto, a necessidade de interessar, treinar e formar professores para que participem deste desenvolvimento. É necessário formar uma massa crítica através de debates sobre implicações, em especial as de natureza social, dos métodos e ferramentas da Informática aplicáveis à Educação para evitar o surgimento de uma visão puramente instrumental do uso de computadores nas escolas [ROC 94]. É imprescindível que se clarifique a razão da utilização da Informática, definindo as metas a serem atingidas, baseadas numa filosofia pedagógica mais ampla [LUC 94].

Segundo [VAL 93] a implantação da Informática na Educação consiste basicamente de quatro ingredientes: o computador, o software educativo, o professor capacitado para usar o computador como ferramenta educacional e o aluno. O software educativo tem tanta importância quanto os outros ingredientes pois, sem ele, o computador jamais poderá ser utilizado na Educação. Pode ampliar esta visão modificando software educacional por ambiente educacional.

O computador tanto na escola, como forma de aprendizado fora dela, busca desenvolver as potencialidades do aluno, serve para reforçar o aprendizado de classe, estimular a curiosidade, incentivar a criatividade e a busca de descobertas, assim como qualquer programa extracurricular. Por isso, o computador se tornou uma ferramenta de grande valia na sala de aula, e com isso cresce cada vez mais o desenvolvimento de ambientes educacionais, que servem de grande apoio as disciplinas escolares.

Na Educação o computador tem sido utilizado tanto para ensinar sobre computação - ensino de computação - como para ensinar praticamente qualquer assunto - ensino através do computador.

O ensino pelo computador implica que o aluno, através da máquina, possa adquirir conceitos sobre praticamente qualquer domínio. Entretanto, a abordagem pedagógica de como isso acontece é bastante variada.

A utilização de computadores no processo de ensino-aprendizagem pode acontecer de muitas formas. Uma delas refere-se ao uso de software educacional.

O software educacional é um programa desenvolvido para atender a objetivos educacionais previamente estabelecidos e, para que ele seja efetivo e esteja à altura das necessidades pedagógicas, é necessário que seu desenvolvimento conte com especialistas das áreas de Educação e Informática [LUC 94].

Como qualquer software, também os que recebem a denominação "educacional", possuem pontos fortes e limitações. É preciso saber quando um software é adequado para os objetivos curriculares e pode, por isto, ser integrado ao contexto educacional.

Para que um software seja utilizado com finalidade educacional ou em atividades curriculares, é necessário que sua qualidade e sua pertinência sejam previamente avaliadas de modo a atender às áreas de aplicação a que se destina e, principalmente, satisfazer às necessidades dos usuários, desenvolvendo a investigação e o pensamento crítico.

Uma sugestão para a classificação de software educacional é [GIR 91]: ensino assistido por computador, programação, ferramenta e ambiente de aprendizagem por computador.

O ensino assistido por computador subdivide-se em CAI (Computer Assisted Introduction), ICAI (Intelligent Assisted Introduction), exercício-prática, demonstração, jogos e simulação. Nesta modalidade a aprendizagem está centrada no computador.

A programação consiste no uso de linguagem de programação para a execução de tarefas. Esta modalidade é também referida como micromundo, onde a aprendizagem é centrada no aluno.

A ferramenta consiste no uso de aplicativos como recurso para a realização de tarefas de suporte do ensino. Este suporte pode ser feito tanto no que se refere a preparação de aulas, quanto na administração da avaliação de alunos (ensino gerenciado por computador).

Um ambiente de aprendizagem por computador é definido pelo uso integrado de um conjunto de software, o qual é planejado para o desenvolvimento de uma habilidade cognitiva e/ou psicomotora.

As práticas de ensino centradas no professor utilizam com mais propriedade as modalidades de CAI. Por sua vez, as práticas de ensino centradas no aluno geralmente utilizam ICAI, ambientes de ensino por computador e micromundos.

A escolha de uma destas modalidades de software educacional depende dos objetivos que se deseja alcançar na prática docente. É importante salientar que o uso de software deve ser uma conseqüência natural da dinâmica de trabalho planejada pelo professor.

O CODE WEB, dentro destas modalidades, pode ser considerado como um ambiente de aprendizagem pois envolve interação entre os usuários, bem como a utilização de um conjunto de software que permite a realização de exercícios e o acesso ao módulo teórico.
 


Trabalho Cooperativo e Educação à distância
 

A idéia de Educação à Distância não é nova e é utilizada há muito tempo através da mídia convencional: rádio e televisão. A primeira forma de Educação à Distância conhecida relatada na literatura foram os cursos por correspondência, utilizados no início deste século na Europa. Este meio foi muito utilizado até meados deste século, quando o rádio e televisão instrucional tornaram-se populares [PEN 97].

No entanto, com o surgimento de tecnologias interativas mais sofisticadas, educadores passaram a utilizar ferramentas como e-mail, BBS, Internet, áudio e vídeo-conferências. Uma ferramenta da Internet que tem sido muito utilizada é WWW, a qual possibilita a elaboração de Cursos à Distância com avançados recursos multimídia.

A Educação à Distância, nesta nova perspectiva, se caracteriza por possuir independência de tempo e espaço, modificar o centro de responsabilidade para mais próximo do aluno e permitir a comunicação entre alunos e professores através de recursos de rede, como a Internet e suas aplicações.

Como citado anteriormente, um dos recursos Internet mais utilizados para a construção de ambientes de educacionais é WWW (World Wide Web). Uma forma de utilização do WWW é em atividades de salas de aula reais. O curso é ministrado na sala de aula convencional, mas o uso de documentos WWW é requisitado como complemento ao ensino através de pesquisa. Existem, também, os cursos on-line, que podem ser realizados de forma assíncrona.

O CODE WEB enquadra-se nestes dois tipos de cursos oferecidos por WWW. É usado em sala de aula real, pois enquanto o professor ministra sua aula de Operações Unitárias pode solicitar o uso dos documentos do WWW para demostrar a execução de um software (por exemplo, o SINCO) e também pode ser considerado como um curso on-line pelo fato de conter um módulo teórico onde disponibiliza um conjunto de informações sobre as Operações Unitárias da Indústria Química.
 
 

Modelo Proposto
 

O CODE WEB é um sistema que integra alunos e professores através de suas páginas HTML, que, por sua vez, interagem usando programas CGI. Ele tem o intuito de tornar o ensino das Operações Unitárias da Indústria Química mais acessível e interativo. Para isto foram desenvolvidas páginas HTML que fazem a interface com o usuário e que devem ser visualizadas em ambiente WWW. É através destas páginas que as informações entram e saem do sistema. Elas contém formulários, para entrada de dados e apresentam outras páginas HTML com as informações solicitadas.

Para possibilitar as experimentações práticas, foi transformado em um CGI o software chamado SINCO (Sintetizador de Colunas), afim de adaptá-lo ao ambiente WWW e obter o resultado de sua execução em uma página HTML.

O CODE WEB é baseado em um modelo com três módulos: módulo teórico, módulo de acompanhamento e módulo prático. Este sistema oferece aos usuários recursos para aprendizagem de Operações Unitárias envolvendo tanto conceitos como experimentações práticas. Informações gerais sobre outros sites de assuntos afins também se fazem disponíveis, bem como a possibilidade de utilização de um canal IRC (Internet Relay Chat) para debater com outras pessoas assuntos de Engenharia Química. Estas alternativas são oferecidas através de links que são facilmente acessados na página principal do CODE WEB. Estas alternativas foram acrescidas com o fim de tornar as informações de fácil uso e bem completas.

A Figura 1 mostra a página inicial do ambiente WWW que pode ser acessada através da seguinte URL: http://www.eq.pucrs.br/~codeweb/.
 
 

Figura 1 - Página Inicial do Ambiente CODE WEB





a) módulo teórico

O módulo teórico do CODE WEB tem por objetivo a complementação dos conceitos sobre Operações Unitárias, abordados na sala de aula tradicional. Este módulo foi desenvolvido de forma a propiciar outras fontes de informação sobre o assunto a ser estudado, permitindo a pesquisa não só através da leitura de textos selecionados, mas também utilizando links indicados para outras fontes.

Além das informações sobre Operações Unitárias, o módulo teórico descreve o software SINCO, utilizado no módulo prático para a realização de exercícios sobre o conteúdo. O módulo teórico apresenta, também, uma página de ajuda on-line que orienta o usuário e facilita sua consulta sobre os ítens que compõem este módulo.

A partir da página principal do módulo teórico é possível acessar as páginas com conceitos das Operações Unitárias e do SINCO.

A página com explicação do SINCO além de expôr uma definição deste software, possibilita a execução do mesmo para que possa ser feita uma experimentação prática.

A página das Operações Unitárias possibilita que o usuário pesquise sobre assuntos como Processos de Separação, Destilação, Absorção e Extração Líquido-Líquido.

Alguns destes tópicos, como Destilação e Absorção, apresentam sub-ítens.

A Destilação leva a páginas com explicação sobre:

A Absorção possui três sub-ítens: balanços materiais para a absorção em contato descontínuo, determinação da altura de uma torre recheada e coeficientes de transferência de massa para vários recheios. Os dois primeiros sub-ítens se dividem, respectivamente, em: valores limites de L'/V' e cálculo do número de estágios; e expressões do número de altura da unidade de transferência. Este último sub-item, ainda apresenta explicações sobre estimativas do número de unidades transmitidas e estimativa da altura da unidade transmitida.

b) módulo de acompanhamento

O módulo de acompanhamento permite a cooperação e interação do aluno com o professor, bem como com seus colegas, através da formação de grupos de acompanhamento.

Como o CODE WEB foi desenvolvido visando a área educacional, o termo "grupo de acompanhamento" surgiu da idéia de oferecer ao professor uma forma de acompanhar seus alunos no desenvolvimento da disciplina Operações Unitárias na Indústria Química, podendo guiá-los durante a utilização do CODE WEB através de uma página de exercícios e visualizar todos os testes realizados por eles no SINCO que tenham sido gravados. Porém, qualquer usuário pode tanto inscrever-se num grupo (aberto) quanto criar um novo grupo desde que tenha objetivos para este.

Um grupo de acompanhamento é constituído de um supervisor (criador do grupo) e um número limitado de componentes. Seu objetivo é permitir que o supervisor acompanhe todos os testes realizados no SINCO (através do módulo prático) pelos componentes do grupo, além de permitir a comunicação entre os membros do grupo.

Ao criar um grupo, o usuário torna-se supervisor deste grupo. E é ele quem define o número limite de componentes do grupo e se o mesmo será aberto ou fechado. Um grupo aberto significa que qualquer usuário que acessa o site CODE WEB pode inscrever-se nele, desde que não ultrapasse o número limite de componentes imposto pelo supervisor para o grupo. Já um grupo fechado é restrito aos usuários que forem inscritos pelo supervisor e somente eles podem pertencer ao grupo. Esta modalidade de utilização é adequada às atividades de sala de aula, onde o supervisor é o professor.
 
 

Figura 2 - Módulo de acompanhamento do CODE WEB





A Figura 2 mostra as opções do módulo de acompanhamento.

c) módulo prático

O módulo prático baseia-se, inicialmente, na utilização de um software, denominado SINCO - SINtetizador de COlunas, para projeto e dimensionamento de colunas de destilação.

Este módulo tem como objetivo permitir que o aluno aplique e questione os conhecimentos adquiridos em sala de aula e/ou através do módulo teórico do CODE WEB. Isto ocorre através de homepages que disponibilizam a entrada de dados para o SINCO e visualização dos resultados obtidos. Os solicitados como entrada do sistema, neste caso, são os necessários à criação de uma coluna de destilação, como, por exemplo, as substâncias que serão separadas e a porcentagem de pureza esperada após a separação. A partir desses dados, o software gera uma coluna de destilação específica para as condições dadas. As informações referentes a coluna gerada são apresentadas em outra homepage, como a altura e a distância entre os pratos da coluna. Este resultado poderá ser armazenado, caso o usuário escolher esta opção.

A Figura 3 mostra a entrada do módulo prático que habilitará a execução do software SINCO.
 
 

Figura 3 - Módulo Prático - SINCO





O módulo ainda permite que os resultados dos alunos sejam gravado de duas maneiras: na área selecionada para o grupo de estudo ou diretamente no seu computador se ele não pertencer a nenhum grupo. Apesar deste módulo utilizar o SINCO, é possível adaptá-lo para utilização de outro software da área, propiciando maior número de recursos ao ensino.

A estrutura do módulo prático é constituída por uma homepage de entrada, um programa CGI e uma homepage de saída.

A homepage de entrada possibilita ao aluno entrar com os dados que serão manipulados pelo sintetizador. O aluno fornece dados como quantidade do produto e da alimentação e nome das substâncias a serem separadas.

O programa CGI é o próprio software sintetizador de colunas. Ele foi integrado ao CGI, ou seja, faz parte do programa. Ele recebe os dados de entrada fornecidos na homepage de entrada, processa estes dados e envia os resultados para a homepage de saída.

A homepage de saída é uma outra homepage onde são mostrados os resultados obtidos pelo SINCO, após seu processamento. Esta homepage é necessária porque um módulo CGI não pode capturar e imprimir dados na mesma homepage. Ele só possibilita entrada e saída de dados em páginas diferentes.

Os dados apresentados na homepage de saída podem ser armazenados, se for de interesse do aluno. Existem duas possibilidades de gravação. A primeira permite ao usuário pertencente a um grupo, que, por sua vez, está contido no módulo de acompanhamento, salvar seu teste dentro da área especificada para os testes daquele grupo, entretanto o usuário só tem esta permissão após a verificação de sua user e senha. Na segunda, quando o usuário não pertence a nenhum grupo e mesmo assim deseja salvar o teste realizado, pode salvar seus resultados na área do seu computador.
 
 

Desenvolvimento do Protótipo

a) visão geral e metodologia de trabalho

A metodologia de projeto e desenvolvimento do CODE WEB foi baseada em atividades que podem ser descritas da seguinte forma:

b) recursos necessários e acesso ao protótipo

Para implementar o CodeWeb foram utilizados os seguintes recursos de software:

Para utilizar o CODE WEB, é necessário acessar o seguinte endereço através de um browser: http://www.eq.pucrs.br/~codeweb/.

c) desenvolvimento dos módulos

Cada módulo do CODE WEB possui características próprias de implementação:

CGI é uma forma padrão de interligar (interagir) aplicações externas com servidores de informação como Servidores HTTP ou WWW. Um documento HTML carregado por um browser WWW é estático, o que significa que ele existe num estado constante: um arquivo texto que não muda. Um programa CGI, por outro lado, é executado em tempo real, e por isso pode gerar informação dinâmica.

Alguns outros detalhes cabem ressaltar, como a utilização da linguagem C para o desenvolvimento dos programas CGI na plataforma UNIX e a utilização de C++ na plataforma Windows, com servidor HTTPD para Windows onde está o módulo prático.
 
 

Funcionamento do Grupo de Acompanhamento
 

Como o CODE WEB foi desenvolvido visando a área educacional, o termo "grupo de acompanhamento" surgiu da idéia de oferecer ao professor uma forma de acompanhar seus alunos no andamento da disciplina Operações Unitárias na Indústria Química, podendo guiá-los durante a utilização do CODE WEB através de uma página de exercícios e visualizar os testes realizados por eles no SINCO. Porém, qualquer usuário pode tanto inscrever-se num grupo (aberto) quanto criar um novo grupo desde que tenha objetivos para este.

Para criar um grupo, o usuário deve preencher um formulário com as informações necessárias e aguardar uma resposta do WebMaster do CODE WEB. É o WebMaster quem decide, através dos objetivos colocados pelo usuário no formulário, se o grupo realmente será criado. Assim, só depois de receber uma confirmação enviada pelo WebMaster, o usuário pode considerar o grupo criado ou não. Caso o WebMaster não aceite a criação do grupo, todas as informações já incluídas sobre o mesmo são excluídas do sistema. Esta restrição deve-se ao fato de que muitos grupos criados sem uma finalidade educativa podem desperdiçar os recursos disponíveis.

Para inscrever-se num grupo, o usuário deve escolher em qual, dentre os grupos disponíveis, deseja ingressar e preencher o formulário com as informações necessárias. Os grupos disponíveis são todos os do tipo aberto que ainda não alcançaram o número limite de componentes definido pelo supervisor do grupo, ou seja, aqueles que ainda tem vagas. Porém, se o grupo escolhido for do tipo fechado, o usuário deve, necessariamente, fornecer user e senha de supervisor do grupo pois somente o supervisor pode realizar a inscrição dos componentes neste tipo de grupo.

O módulo de acompanhamento também permite ao usuário gravar os resultados obtidos em testes realizados no SINCO, assim como a visualização destes testes (sendo que este último só é permitido caso o usuário seja supervisor de um grupo). A gravação dos testes é realizada pelo módulo de acompanhamento a partir do módulo prático (SINCO). Para gravar um teste realizado no SINCO, o usuário deve, necessariamente, informar a qual grupo pertence e fornecer sua user e senha para que o teste seja gravado no lugar correto. Caso o usuário não pertença a nenhum grupo, o teste é gravado num lugar indicado por ele.

Já a visualização dos resultados somente pode ser feita pelo supervisor do grupo. Por isso, o supervisor deve, necessariamente, fornecer sua user e senha para ter acesso aos testes. Contudo, cada supervisor só pode visualizar os testes dos componentes de seu próprio grupo. Ao entrar com user e senha, o supervisor pode escolher qual teste de qual componente ele deseja visualizar. Todos os componentes com seus respectivos testes são listados para auxiliar na seleção.

O supervisor também tem a opção de criar uma página de exercícios através do módulo de acompanhamento. O objetivo desta página é orientar os componentes do grupo na utilização do CODE WEB (mais especificamente do SINCO) fornecendo-lhes exercícios, sugestões e procedimentos. Cada supervisor pode elaborar somente a página de exercícios para seu próprio grupo assim como cada usuário pode visualizar somente a página de exercícios do grupo no qual é componente. Portanto, para criar uma página o supervisor deve fornecer sua user e senha de supervisor do grupo e o usuário, para visualizar a página, deve fornecer sua user e senha de componente do grupo. Algumas observações quanto a elaboração de questões pode ser encontrada em [POP97].
 

Considerações Finais e Trabalhos Futuros

O CODE WEB foi desenvolvido como Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Informática da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Durante o projeto e o desenvolvimento foi avaliada a importância e responsabilidade de criar um ambiente educacional com a perspectiva de educação a distancia. Para contribuir neste processo, participaram do projeto profissionais da área de informática, educação e da área especifica (engenharia química).

Alem desta integração, foram pesquisados diversos ambientes na Internet com o mesmo propósito para avaliar as perspectivas e resultados. Observou-se que a interação entre alunos e professores aumenta o grau de interesse de todos a utilizar esta nova forma ou recurso de sala de aula.

Em relação ao modelo criado (teoria, prática e acompanhamento), observou-se que abrange grande parte dos recursos apresentados em diferentes bibliografias indicam que esta estrutura propicia um aprendizado completo. Compreende pesquisa, interação, pratica e acompanhamento, além de uma nova perspectiva de uso de tecnologia. No protótipo, todos os recursos mencionados estão disponíveis.

O projeto está em fase de avaliação e algumas necessidades já foram identificadas. Pode-se relacionar como trabalhos futuros:

- criação de um modelo de avaliação adequado a este novo ambiente, uma vez que a PUCRS aplica avaliação docente e estrutural a cada semestre.

- melhoria no modulo de exercícios, onde os alunos podem contribuir, bem como facilitar a manutenção do sistema pelo professor;

- incorporação de outros recursos da Internet como vídeo e áudio conferencia.

Como contribuição final, disponibiliza-se mais um recurso tecnológico para apoiar tanto ao professor quanto ao aluno no processo ensino-aprendizagem.
 
 

Referências

[CAR96] CARNEIRO, M.L. Síntese Automatizada de Colunas de Destilação: uma abordagem alternativa ao processo de projeto. Dissertação de Mestrado. Instituto de Informática. PUCRS. 1996.

[GIR91] GIRAFFA, Lúcia Maria. Reflexões sobre o computador na escola. Dissertação de Mestrado. FACED/PUCRS, 1991.

[HOB96] HOBBS,D.J. e TAYLOR, R.J. The Impact on Education of the World Wide Web. In: WebNet 96 , São Francisco, Califórnia. 1996

http://curry.edschool.Virginia.EDU/aace/conf/webnet/html/106.htm

[KUC96] KUCHINSKI, M. The use of eletronic mail, newsgroups and the World Wide Web to improve Chemical Engineering-Education. 1996. In: http://www.rpi.edu/dept/chem-eng /WWW/faculty/bungay/thesisinprogr.html.

[LUC94] LUCENA, Marisa. O Uso das Tecnologias da Informática para o Desenvolvimento da Educação. Rio de Janeiro, 1994.

[MAR96]MARTINS, J.A. e PINTO, J.S. O WWW e o Ensino e Treino à distância - Produção e acesso ao courseware. 1996. In:://www.inesca.pt/~jsp/p-jsp6.html

[MOR93] MORAES, M.C. Informática Educativa no Brasil: um pouco de história ... In: Em Aberto. Brasília. 57(12). jan/mar 1993.

[PEN97] PENTA Homepage. Homepage do Grupo de Redes da PGCC/UFRGS. In: http://penta.ufrgs.br/edu/forms/tut0.html

[PGIE97] PGIE - Teleducação In: http://penta.ufrgs.br/edu/teleduc/teleduc.htm

[POP97] POP-RS. Ponto de Presença da Rede Nacional de Pesquisa no Rio Grande do Sul. In: http://www.pop-rs.rnp.br/questoes/

[ROC94] ROCHA A. R. C. e Santos, N. A Formação de Recursos Humanos em Informática na Educação. ANAIS II Encontro da Informática com a Educação, outubro, 1993; Faculdade Carioca. Rio de Janeiro, Março 1994.

[SAI97] SAIKOSKI, K. e CARNEIRO, M.L. WEQ-NET - Site WWW para o ensino de Engenharia Química. Projeto FAPERGS http://www.inf.pucrs.br/~katia/weqnet

[VAL93] VALENTE, José Armando. Diferentes Usos do computador na Educação. In: Em Aberto. Brasília, ano 12, n. 57, Janeiro/Março, 1993.