"Galáxia Digital" e Pedagogia da Interactividade

Luís Humberto Marcos
Instituto Multimédia
Portugal


O ritmo de desenvolvimento das tecnologias da informação e comunicação (TIC) e muito especialmente o proteiformismo das tecnologias multimédia estão a provocar o surgimento de um novo cidadão-consumidor-de-media.

Autonomia, criação e interactividade são as três palavras-chaves deste cidadão que, ás portas do século XXI, desfruta do fascínio tecnológico nunca antes apreciado.

De uma forma acelerada estamos a assistir á mudança da "sociedade da imagem" para a "sociedade da interactividade".

Com efeito, a sociedade da imagem que passou a suplantar o Homem a partir dos anos 60/70, tornando-o num espectador passivo da realidade social, está a mudar vertiginosamente com as tecnologias da integração dos anos 90. Em resultado desta evolução, alargam-se as condiççes de participação dos cidadãos no devir social, participação essa que será cada vez menos presencial e cada vez mais telemática. Nesta delimitação confrontamo-nos já com uma dificuldade que se irá adensar com a evolução tecnológica: o que é "estar presente"? As variáveis espaço e tempo têm de ser reequacionadas fora dos paradigmas filosóficos que tem orientado a racionalidade humana desde a antiguidade.

O novo cidadão-consumidor-dos-media começa a ser menos passivo, mais interveniente, mais criativo. Tem pelo menos as melhores condiççes para o ser!
 
 

A. Digitalização e pedagogia

Todas estas transformaççes - algumas delas muito esboçantes ainda - resultam sobretudo de duas grandes inovaççes: digitalização e fibra optica. Através da digitalização simplifica-se a codificação e o armazenamento da informação; e através da fibra óptica alarga-se o poder e a rapidez da difusão. Com elas, assiste-se á integração (á escala mundial) de todos os sistemas de comunicação e informação numa rede complexa, potente e invisível, que faz da informática o seu sistema nervoso central.

Depois de Gutenberg e Marconi eis-nos perante aquilo a que se pode chamar a emergência e uma nova galáxia: a Galáxia Digital1 que está a configurar decisivamente a situação comunicacional em que vivemos hoje. Esta Galáxia Digital altera não só as coordenadas espaço/tempo, mas também alguns dos pilares fundamentais da existência humana: a linguagem alfanumérica está a destronar a linguagem analógica que ao longo dos séculos serviu de código ao pensamento humano.

é neste contexto que se assiste a um virar de página nos processos pedagógico-didácticos.

O velho sistema escolar com um grupo de alunos silenciosos e atentos diante de um professor que do alto do seu estrado despeja "sabedoria", socorrendo-se por vezes de um quadro (preto, verde ou branco) que está nas suas costas, tem os seus dias contados. As tecnologias multimédia vão revolucionar este modelo massivo de escola, personalizando o processo de aprendizagem.

A pedagogia da interactividade (assim se poderá chamar) desloca o eixo escolar do professor para o aluno concreto - Joana, Luís, Isabel, Eduardo... - centrando-se assim no acto de aprender e não no acto de ensinar. é certo que esta perspectiva de reforço do acto de aprendizagem dos alunos faz parte do discurso dos renovadores da velha escola que, renovada, continuaria assente no mesmo tríptico: professor, turma , quadro. A pedagogia da interactividade proporcionada pelas tecnologias multimédia constitui já o veículo essencial da mudança. Com as tecnologias multimédia, o velho professor deixa de ter lugar, para passar a ser um tutor que acompanha o percurso de aprendizagem do aluno. E, assim, salvaguardados ficarão os ritmos psicológicos e cognitivos dos estudantes.
 

B. Três projectos

é neste contexto - que aponta para uma nova filosofia tecnológica da educação - que surgem alguns dos projectos que o Instituto Multimedia, nascido no Porto em 1990, tem vindo a desenvolver.

A demonstração que pretendemos fazer integra três projectos: Fernando Pessoa, História da Fotografia e Multilingue.

Da apreciação de todos eles podemos retirar as seguintes conclusçes:

Finalmente, fica-nos uma ideia, uma certeza: pedagogia e multimédia vão ficar progressivamente mais inseparáveis.