A gestão de novas tecnologias na escola pública


Paulo Gileno Cysneiros
Universidade Federal de Pernambuco
Brasil
cysne@npd.ufpe.br

AOs problemas de gestão tem acompanhado a inserção de novos artefatos na escola desde as experiências iniciais com o rádio educativo, na primeira metade do século passado (Cuban, 1986). Este conjunto de problemas tem sido acentuado com a complexidade das tecnologias da informática. As máquinas e os software tem apresentado um ritmo veloz de mudanças, que as redes públicas de educação fundamental e média e as faculdades de formação de professores não tem tido condições de acompanhar.

O setor público de países em desenvolvimento tem tido dificuldades para modificar ou criar novas estruturas administrativas em educação, tanto pela restrição de recursos financeiros como pelas amarras legais referentes a situação funcional de professores, contratação de pessoal especializado, aquisição de novos materiais.

Freitas (1992), no contexto de Portugal, há quase uma década, colocava como "missão quase impossível" (p.28), enquadrar a riqueza das novas tecnologias na complexidade do sistema educativo. Teodoro (1992, p.19) no mesmo contexto, expressava opinião parecida, afirmando que a escola de massas não tem lugar para a atividade dos alunos que envolva recursos tipo laboratórios e computadores.

Cysneiros (1998), ao abordar a introdução da informática em escolas do Brasil, também apontava problemas sérios para assimilação das novas tecnologias pela escola pública de países em desenvolvimento.

Kenski (2000) também acredita que o principal desafio para a introdução das novas tecnologias nas instituições educacionais diz respeito à gestão e que as dificuldades não são poucas nem simples. A gestão não apenas dos aspectos administrativos, financeiros, contábeis e de recursos humanos (algo que considero como obstáculos formidáveis nas redes públicas). Para Kenski, os problemas de gestão referem-se principalmente às necessidades de reestruturação da instituição escolar, apontando os problemas resultantes da nova lógica de ensino com novas tecnologias. Para ela, algumas dificuldades "... são como verdadeiros nós, que interferem, prejudicam e reorientam toda as predisposições (sejam de ordem filosófica, metodológica, política ou administrativa) ligadas à integração das novas tecnologias no processo de ensino."

A autora cita o déficit telefônico existente no país e a ausência de condições mínimas de infra-estrutura, em muitas localidades, que impossibilitam até a utilização regular dos sistemas telefônicos para as comunicações interpessoais tradicionais. Com a privatização das companhias telefônicas brasileiras, não foram definidas formas viáveis de subsídios para escolas manterem conexões às redes, para a transmissão de sons, imagens e dados a baixo custo.

Existem acentuados contrastes entre as escolas particulares de boa qualidade, existentes em todas as grandes e médias cidades brasileiras e aquelas das redes públicas. As escolas particulares tem absorvido muito bem as novas tecnologias, repassando os custos aos pais de sua clientela, constituída de alunos das classes média e alta. Assim, em educação o agravamento das disparidades continua, no contexto de globalização, onde teóricos como Pierre Lévy (1999) vem quase que exclusivamente aspectos positivos das novas tecnologias. A situação de disparidades é mais agravante nas regiões Norte e Nordeste do Brasil, onde é precário o uso de computadores, TV e vídeo. A grande maioria das escolas públicas não possui sequer um telefone, as instalações físicas são precárias, os professores recebem baixos salários e apresentam muitas lacunas no conhecimento das disciplinas que ensinam.

Os laboratórios de computadores do projeto ProInfo, com vinte máquinas em média, começaram a chegar às escolas públicas em meados de 1999. Um ano depois, o funcionamento de tais laboratórios é parcial, as redes Windows NT são mal utilizadas, poucas escolas tem ligação com a Internet e poucos professores trabalham conteúdos curriculares utilizando computadores. Em algumas escolas tem sido implementadas experiências com Pedagogia de Projetos, explorando temas ligados a problemas locais (lixo, preservação ambiental) e a eventos históricos, porém tais experiências não são generalizadas e não chegam a ocupar intensivamente os equipamentos existentes.
 

Políticas Públicas para Novas Tecnologias na Educação

Por outro lado, o Brasil tem avançado no tocante à pesquisa universitária e às políticas públicas na área. Desde meados da década de oitenta, existem políticas públicas bem definidas sobre a introdução de novas tecnologias na educação.

O Projeto Educom, lançado em 1983 em cinco universidades públicas, priorizou a pesquisa sobre computadores na educação (Andrade & Lima, 1993; Moraes, 1997). Os centros-piloto do Educom, em cinco estados brasileiros, foram projetos experimentais, interdisciplinares, implantados em algumas escolas públicas. A principal contribuição do Educom foi a formação de recursos humanos, tanto professores de primeiro e segundo graus nas redes públicas, como na própria universidade, na época bolsistas de pesquisa e alunos de cursos de pós-graduação que fizeram parte das equipes de pesquisa.

Atualmente, o projeto federal de maior destaque é o ProInfo, em implantação desde 1997, tendo instalado mais de 200 Núcleos de Tecnologia Educacional (NTEs), em 27 estados brasileiros. Os NTEs estão preparando os professores das seis mil escolas que receberão cerca de cem mil computadores. Também pretendem oferecer suporte para o desenvolvimento de culturas de uso da novas tecnologias nas escolas beneficiadas (http://www.proinfo.gov.br).

Existem grupos de pesquisa em mais de uma dezena de universidades, tem ocorrido congressos especializados anuais em várias regiões do Brasil e existem grupos de interesse em Informática Educativa ligados a sociedades científicas, destacando-se o grupo da Sociedade Brasileira de Computação (SBC-SBIE), que edita a Revista Brasileira de Informática na Educação (http://www.inf.ufsc.br/sbc-ie/revista/).

Outro grupo com muita atividade no Brasil é a rede internacional Kidlink, ligando adolescentes e professores de todo o mundo através da Internet (Lucena, 1997; http://venus.rdc.puc-rio.br/kids/kidlink/).

Existem também numerosas empresas que oferecem serviços a escolas particulares, tendo atuado em poucas escolas de redes públicas. Tais empresas vem implantando projetos de Informática Educativa, treinando professores e oferecendo acompanhamento e consultoria permanente. As empresas tem produzido software educativo em boa quantidade (ferramentas de autoria e programas para conteúdos específicos), uma atividade que vem crescendo muito à partir do lançamento do ProInfo.

Na área de formação de recursos humanos, além dos cursos de especialização, várias universidades brasileiras vem oferecendo programas de pós-graduação com linhas de pesquisa em Informática na Educação, destacando-se os programas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e o da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
 

O Espaço Físico das Novas Tecnologias na Escola

Um dos primeiros pontos referentes à gestão é a adequação de espaços escolares para a atividade pedagógica com as novas tecnologias, cujas decisões são geralmente relegadas a técnicos ou a uma ou duas pessoas da instituição, sem o crivo da discussão pelos que fazem a escola. Os resultados de decisões boas ou ruins serão vividos todo dia, talvez durante anos, nos prédios utilizados por alunos, professores e funcionários. Espaços mal-planejados tem maiores conseqüências nas pré-escola e nas séries iniciais, quando as crianças necessitam de maior movimentação e sofrem mais as conseqüências de condições ambientais precárias.

Dependendo do projeto, uma mesma área e orçamento podem resultar em espaços mais adequados, ou não, para a atividade pedagógica com as novas tecnologias. É importante evitar a improvisação, que quase sempre resulta numa "Arquitetura Frankenstein".

A arquitetura não tem recebido a devida importância nos projetos de Informática e de ambientes para uso da televisão, do vídeo e outras tecnologias na escola. Há salas de aula recém construídas com apenas uma tomada elétrica, localizada num ponto que dificulta o uso de um simples gravador.

Quanto ao mobiliário, como parte do espaço físico, encontramos em escolas mesas frágeis e baratas, para computadores de escritórios ou uso doméstico. São móveis sem espaço para trabalho com um caderno ou livro. É desejável um espaço de aproximadamente um metro e meio entre uma máquina e outra, possibilitando o trabalho em dupla de alunos em atividades com livros, cadernos e outros materiais, além do manejo do mouse e da atenção à tela do computador.
 

Gestão das Novas Tecnologias no Cotidiano da Escola

Uma gestão eficiente das tecnologias nas escolas públicas pode ser facilitada pelo movimento atual de descentralização da administração educacional, de autonomia da escola e menos passividade nas relações com administradores de redes públicas, de busca de soluções locais para problemas locais.

Não é fácil manter uma sala de computadores funcionando de modo contínuo em uma escola pública. É necessário uma infra-estrutura bem pensada de gerenciamento e de manutenção das máquinas, para que funcionem bem de manhã à noite, durante toda a semana e todo o ano, especialmente quando passar o efeito da novidade.

A história de outras tecnologias na escola, especialmente a TV e o vídeo, demonstra que gerenciamento e manutenção são dois problemas cruciais: os equipamentos tendem a ficar ociosos a maior parte do tempo, se estragam, são roubados, ficam obsoletos.
A previsão de uso intensivo dos computadores é fundamental. O uso intensivo condicionará determinados aspectos da arquitetura e do funcionamento da sala: o ambiente deverá possuir mobiliário resistente, especialmente as bancadas, e a sala localizada em uma parte do prédio que facilite o fluxo contínuo de pessoas. O uso contínuo não danifica os equipamentos, mesmo que as pessoas não tenham experiência com computadores. Deve-se apenas ter cuidado para que não ocorram danos físicos, resultantes de quedas, água, fogo ou outra causa ambiental.
 

Gestão compartilhada das Novas Tecnologias na Escola

Uma recurso para que a escola assimile as novas tecnologias é a constituição de uma Comissão Gestora de Tecnologias. O funcionamento contínuo e organizado da sala de computadores deverá ser a meta inicial a ser perseguida, no espírito de exploração máxima da garantia e de beneficiamento da comunidade escolar.

Uma comissão com várias pessoas evita que o laboratório se torne domínio de um administrador ou de algum professor. É desejável a participação do diretor ou do diretor adjunto da escola, de um ou dois professores de cada turno, de um representante da comunidade (de alguma associação do bairro ou empresa que colabore com a escola, quando houver); dos pais; de um representante dos alunos monitores de informática (quando houver); de um funcionário da administração da escola. O perfil da Comissão Gestora dependerá de cada escola, no espírito de uma experiência nova. Sua composição dependerá do número de alunos e de turnos da escola, das pessoas disponíveis. Deve prevalecer o bom senso e se ter em mente que uma comissão muito grande dificilmente funciona bem.

Devem ser escolhidos, pela própria Comissão, em sintonia com a direção da escola, um coordenador geral e Coordenadores de Tecnologias para cada turno, pois não existe grupo que funcione bem sem um responsável. É ideal que o Coordenador da Comissão também seja coordenador em um dos turnos, para que vivencie o cotidiano das novas tecnologias na escola. Tais tarefas poderão ser rotativas, para que ninguém seja sobrecarregado.

A formalização funcional da Comissão, com direitos e deveres, deverá ser feita após um período inicial de experimentação, evitando-se uma burocratização prematura da experiência. Idealmente, a escola deveria ter uma pessoa com formação especializada, um educador de apoio para tecnologias, ligado à Comissão.

A participação de pessoas que trabalhem em todos os turnos é essencial, para se minimizar a síndrome da sala fechada: um problema comum nas escolas que possuem computadores é a não utilização do laboratório em um determinado dia ou horário porque o detentor da chave da sala não está presente no recinto escolar. Também é necessário, em cada turno, alguém para conferir registros de uso e de manutenção, atender prestadores de serviço, comunicar-se com o coordenador da Comissão e com a diretoria da escola, etc. Se a escola estiver ligada à Internet, pode ser criada uma lista fechada com os membros da Comissão, que poderão tomar decisões e se manterem informados através do correio eletrônico.

Caso a escola tenha uma história de gestão compartilhada, certamente será mais fácil a constituição de uma Comissão Gestora de Tecnologias, que deverá funcionar em sintonia com a Conselho Escolar. A meta comum será a materialização de um projeto pedagógico, no qual o uso de computadores e outras tecnologias deverá se inserir, para um ensino de qualidade.
Para se conseguir o uso intensivo dos equipamentos, é necessário um registro do funcionamento do laboratório. Sempre que a sala for utilizada, deve ser registrado o dia e horário de uso, o nome do professor ou professores responsáveis, os alunos monitores que atuaram, etc. No final do mês, tais registros serão avaliados. Poderão ser detectados os dias e horários em que os equipamentos não estiverem sendo usados, estudando-se maneiras de preencher os períodos vagos.

A mesma estratégia de registro será seguida no tocante à manutenção. Talvez a única certeza, quando se lida com máquinas, é que elas quebram quando menos se espera e um serviço eficiente de solução dos problemas é essencial para o uso intensivo. É útil um registro permanente da data, tipo de defeito e identificação da máquina, da data da chamada da garantia (quando houver) e da data e solução satisfatória (ou não) do problema.

Além das tarefas acima, existem os problemas de manutenção do ambiente, geralmente a cargo da direção da escola, que deverá ser ajudada pela Comissão Gestora: fiscalização e treino dos funcionários responsáveis pela limpeza da sala após cada turno, limpeza semanal dos filtros de ar condicionado e das bancadas, troca de lâmpadas, conserto de janelas e portas, pintura, controle do material de consumo, vistoria do teto do laboratório antes do início de cada inverno, segurança e acesso nos fins de semana, etc. Um trabalho conjunto com a direção da escola também será necessário para se resolver problemas disciplinares com alunos, conflitos entre professores e outros usuários, controlar a legalidade do software instalado nas máquinas, conferir periodicamente os equipamentos, manter contatos com a comunidade, etc.

O trabalho coletivo, organizado, também é essencial para o apoio tecnológico à pedagogia de projetos. A literatura corrente tem enfatizado o potencial educativo de projetos, da interdisciplinaridade, dos temas transversais, disseminados nas escolas através dos PCNs e de outras políticas públicas. As atividades centradas em torno de projetos podem se prolongar durante um semestre inteiro, envolvendo toda a escola. A infra-estrutura tecnológica, hoje em grande parte baseada em computadores, câmeras de vídeo, gravadores e outros materiais, quase sempre é esquecida. As discussões e decisões pela Comissão Gestora, sobre os requisitos para a operacionalização de projetos selecionadas para o semestre será algo muito importante.
 

Alunos Monitores de Novas Tecnologias na Escola

Realizar atividades pedagógicas em uma sala cheia de computadores, com um ou dois alunos por máquina, não é tarefa fácil. As turmas são muitas, cada uma com um número de alunos bem maior do que o número de equipamentos. São muitas disciplinas e muitos professores, cada um com níveis diversos de experiência com a tecnologia, especialmente nos primeiros anos de uso de computadores na escola.

As máquinas ocupam muito espaço e estão próximas umas das outras. O espaço de cada aluno (ou dupla), é preenchido pelo teclado e pelo mouse e quase não há lugar nas bancadas para se fazer anotações ou usar outros materiais. O uso de papel ainda é necessário, pois o aluno não dispõe de computadores todo o tempo.

Além de dedicar sua atenção à aula, o professor terá que se desdobrar para atender a problemas de manejo dos computadores. A aula representa uma quebra na rotina de uma sala comum, especialmente porque serão relativamente poucas as atividades, para cada aluno, com este novo recurso na escola.

No início, os alunos tendem a distrair-se mais com os computadores do que a usá-los como recurso pedagógico, pois o efeito da novidade é muito grande e é natural um certo período de exploração da tecnologia. Neste período inicial, os professores deverão ser tolerantes consigo próprios e com os alunos, sabendo que o rendimento não será o ideal. Isso é natural quando se trabalha com qualquer tecnologia nova.

É necessário que os alunos aprendam um mínimo de manejo da máquina: lidar com um mouse, desenvolver certa destreza com o teclado, executar procedimentos para iniciar a atividade com um determinado software e procedimentos finais para fechamento da atividade.

Um recurso valioso, disponível na própria sala de aula, são os alunos que têm algum conhecimento do manejo de computadores e que podem ajudar o professor e os colegas na nova sala de aula informatizada.

Porém o trabalho continuado com alunos monitores, com turmas e em turnos diferentes, em várias disciplinas, com professores e assuntos diversos, é algo que exige planejamento, preparação de todos e um período de implantação e de ajuste para que o sistema funcione a contento. A preparação dos monitores é essencial, com divisão de tarefas entre eles e conhecimento prévio das atividades a serem desenvolvidas com computadores. A experiência com alunos monitores terá um caráter educativo, pois ensinando é que se aprende. Eles desenvolverão habilidades de ensino com novas tecnologias e certamente alguns deles serão professores no futuro.

Os alunos monitores serão importantes como elementos de comunicação entre as várias disciplinas de uma mesma turma e na comunicação dos colegas com os professores. A pesquisa sobre Aprendizagem Colaborativa tem demonstrado que pessoas com objetivos comuns, mais ou menos no mesmo nível de desenvolvimento, de conhecimento e de status (situações de simetria), desenvolvem atividades de aprendizagem mais ricas do que aquelas em situações assimétricas (professor x aluno, por exemplo).
A função de monitor não deverá interferir com as atividades de estudo, mas sim contribuir para torná-lo um aluno melhor. Portanto, no início ele não deverá atuar no horário de outras aulas. Sua atividade será na própria turma, enquanto estiver usando o laboratório com seus colegas.

Os alunos monitores também poderão oferecer aulas de microinformática para professores, alunos e pessoas da comunidade, em horário fora do seu turno ou nos fins de semana. O trabalho pedagógico com televisão e vídeo integrados ao uso de computadores, também poderá fazer parte das atividades de monitoria.
 

Uso Pedagógico de Ferramentas de Software

Uma das primeiras etapas na assimilação de computadores pelas escola é o domínio de software comuns a qualquer atividade, sempre que possível dirigindo-os para as características e necessidades da escola.

As ferramentas universais de software, especialmente o Windows e pacotes tipo Office, dirigidos para o mercado de escritórios, tem sido minimizadas ou ignoradas por educadores e especialistas na área, tanto em relação à pertinência de sua exploração pedagógica como a metodologias de ensino, ficando a impressão que sua apropriação é algo fácil.

Ao se deparar com novas máquinas e software, consciente dos perigos de uma atitude de deslumbramento, o educador deverá ter como meta apropriar-se de tais objetos para que sejam instrumentos de crescimento do aluno, de melhoria da escola e de sua atividade pedagógica, explorando vantagens mas também suas limitações e reduções.

Um bom começo é problematizar os significados de Office, Word, PowerPoint, Excel, Access e outros termos estranhos, pois a semântica de tais ferramentas é inseparável da língua inglesa. Por exemplo, a palavra Excel pode ser intuitivamente percebida por falantes de inglês como um nome genérico da célula: X-Cel, (éks-cel) célula xis. Representa-se uma incógnita com xis, o fator desconhecido, a ser equacionado (o xis da questão). O verbo Excel também significa ser melhor, algo extremamente bom (Veja uma análise mais detalhada em Cysneiros, 2000b). O educador pode sugerir que os alunos consultem dicionários, conversem com nativos da língua e com o professor de inglês da escola (avisando-o antes e ajudando-o num espírito interdisciplinar, pois não é tarefa fácil).

O mesmo exercício pode ser feito com os ícones que inundam as interfaces das ferramentas. São botões virtuais de enorme variedade, misturas de letras e desenhos esquemáticos de objetos comuns. Muitos ícones são analogias universais (setas, pincéis, tesouras, lupas, roscas, rodas dentadas, envelopes, impressoras, disquetes, folhas de papel). Exercícios com tais materiais tem um caráter educativo mais amplo, pois são símbolos que estão praticamente em qualquer máquina da sociedade pós-moderna, nos manuais, nos ambientes de trabalho, assumindo um caráter universal intuitivo.

O uso de menus de ajuda pode ser ensinado desde os primeiros contatos com qualquer software, explorando-os no planejamento de aulas, complementando-os, inserindo-os na metodologia. As ajudas, hoje existentes em qualquer software, podem diminuir a dependência de livros e apostilas e contribuir para a autonomia do aprendiz. São na maior parte textos prescritivos, sugerindo ações quando se tem um problema, embora a qualidade deles normalmente deixe muito a desejar, pois não foram testados com nossos usuários. Ademais, não adianta muito ter textos de ajuda em papel, pois o aprendiz nem sempre os terá ao lado quando deles precisar.

Procurando apropriar-se cada vez mais das ferramentas, os professores, individualmente e nos Grupos de Interesse, poderão esmiuçar os vários menus e comandos, pois são labirintos pedagogicamente inexplorados.

Anotações poderão ser feitas durante as aulas, por professores e alunos, em arquivos pessoais tipo rascunho. O objetivo é começar, devagar, a caminhada em direção a um modo quase sem papel de trabalho com computadores, menos oneroso para a escola e mais útil para o próprio aprendiz. Assim, os alunos estarão vivenciando a informática, não apenas ouvindo, lendo, seguindo instruções de software nem sempre de boa qualidade, apesar de aparências vistosas.

A gestão também é importante no uso das próprias máquinas. Para isso princípios simples de organização de bases de dados coletivas devem ser pensados. Poderão ser ensinados bons hábitos de nomeação de arquivos, de organização de disquetes e cópias de segurança, que tendem a se multiplicar, tornando difícil sua atualização. Tais ações necessitarão de repetição e poderão ser vivenciadas e aperfeiçoadas durante o ano escolar, para que sejam efetivamente aprendidas.

Também merece reflexão a atitude de uso descontrolado de materiais de consumo, especialmente os caros cartuchos de impressora, pensados para sociedades do primeiro mundo que esbanjam os recursos naturais do planeta. A confecção rotineira de cópias de segurança é outro hábito a ser praticado desde o primeiro contato com um computador. Quase todo mundo já passou pela experiência de perder algo importante, por não ter desenvolvido o hábito de fazer cópias de segurança.

O aprendizado de digitação poderá ser praticado em horários vagos do laboratório, com a ajuda de alunos monitores e o uso de bons programas para tal fim, disponíveis no mercado. Usos pedagógicos da Internet também devem ser pensados com cuidado e anteriormente planejados, evitando-se perda de tempo e explorações sem sentido, que confundem mais do que educam.

Usando uma metáfora espacial, nenhum educador deixaria uma criança a sós em uma grande metrópole. Endereços e sites devem ser explorados antes, fazendo parte do arquivo do professor ou do Grupo de Interesse, com recomendações de uso. Técnicas de exploração e de navegação também podem ser ensinadas, no mesmo espírito de desenvolvimento de bons hábitos e de apropriação crítica da nova tecnologia.
 

Capacitação de Professores para uso de Novas Tecnologias

Administradores educacionais tem se queixado, no sentido que os professores não utilizam as tecnologias disponíveis na escola. São comentários do tipo "professor é muito conservador", "tem medo de mudar", ou "usa o vídeo ou o computador em casa, mas não na escola"... Considero reducionista, até mesmo injusta, a atitude de responsabilizar os professores pelo atraso tecnológico do ato de ensinar. Por que outros profissionais inserem facilmente, sem traumas, novas ferramentas nas suas atividades?
Uma das causas é que computadores pessoais ainda são tecnologias em mutação, relativamente novas na cultura, pouco adaptadas às necessidades do professor e do aluno, especialmente nas nossas escolas públicas. Outra conjunto de causas, relevantes é a ausência de infra-estrutura material, de gestão e de pessoal de apoio nas escolas (Cysneiros, 2000).

O ideal é que o professor aprenda a lidar com as TI durante sua formação regular, em disciplinas mais ou menos com os nomes de "Tecnologia Educacional" ou "Tecnologias da Informação na Educação" e de modo mas detalhado nas didáticas de conteúdos específicos. Algumas faculdades já oferecem tais disciplinas, porém ainda demorará alguns anos para que haja uma atualização das didáticas, adequando-as à tecnologia que o professor irá encontrar nas escolas.

Não esperemos que todos os professores de uma escola utilizem novas tecnologias nas suas aulas. Aliás, não se deve esperar homogeneidade ou adesão de todos em nada e em nenhum lugar.
 

Grupos de Interesse em Novas Tecnologias na Escola

O professor deverá explorar as novas tecnologias com ênfase no conteúdo, não na ferramenta, com o apoio de seus parceiros, em grupos físicos ou virtuais de interesse (GIs).

Um GI será formado por professores que possuam experiência de ensino em uma área específica do currículo, implicando a existência de uma certa identidade profissional e pessoal comum a seus membros: linguagem, formação, problemas pedagógicos, estratégias de avaliação e solução de problemas, socialização entre pares. Em suma, histórias de vida pessoal e profissional com muitas semelhanças. Haverá assim um potencial para socialização de conhecimentos, para aprendizagem colaborativa.
Um GI tem a vantagem do suporte social, algo fundamental em qualquer grupo, tendo subjacente experiências comuns de enfoques teóricos, metodologias, linguagens de comunicação e perspectivas que muitas vezes são restritas aos seus membros. Um bom exemplo de uma comunidade já existente é a área de ensino de Matemática, com associações, reuniões e publicações dirigidas para seus membros. Além da comunicação em tempos e espaços reais, os participantes de um GI poderão comunicar-se, quando houver infra-estrutura suficiente, através de computadores.

Uma vez estabelecido um GI, poderão ser feitas capacitações dirigidas para as necessidades do grupo. Por exemplo, um curso de exploração dos recursos e usos pedagógicos de planilhas eletrônicas, para os GIs de Matemática e de Ciências; ou de um processador de textos para os GI de Língua Portuguesa e de Ciências Sociais.

Deverão ser discutidos o uso regular de ferramentas de software no cotidiano da escola, com também a exploração de software educativos, e mesmo construção de software por pessoas do próprio GI, nascidos com o suporte de outros membros, nas condições e em função das necessidades do grupo.

Os Grupos de Interesse certamente passarão por fases de desenvolvimento. Poderão ser iniciados com um número reduzido de profissionais, atingindo, com o tempo, um número médio razoável de membros ativos, com entrada e saída contínua de novas pessoas, especialmente na lista virtual. Deverá haver um pequeno núcleo permanente, mais ativo, e uma parte flutuante de reunião para reunião. Existirão participantes, ou observadores, que raramente farão parte de reuniões reais, devido à distância física ou grau de envolvimento com a área de interesse. Este fluxo deverá ser encarado como sinal de vitalidade do grupo.
 

Referências