SASE: uma ferramenta de apoio à avaliação de software educacional


Clifton Eduardo Clunie Beaufond
Universidad Tecnológica de Panamá
Facultad de Ingeniería de Sistemas Computacionales
Panamá
cclunie@ns.fisc.utp.ac.pa
Gisela T. de Clunie
Universidad Tecnológica de Panamá
Facultad de Ingeniería de Sistemas Computacionales
Panamá
gtclunie@ns.fisc.utp.ac.pa

 

O trabalho apresenta uma ferramenta desenvolvida para apoiar o processo de avaliação de software educacional em ESCOLA, uma plataforma baseada em hipertecnologias que auxilia o trabalho do aprofessor e ajuda na aprendizagem do aluno. É definida a política de seleção do software educacional e descrita a ferramenta considerando a conceição dos instrumentos de avaliação, a validação dos instrumentos e o processo da avaliação propriamente dito. É apresentada a arquitetura da ferramenta e descritos os seus componentes. Por fim, é descrita a implementação e são apresentadas as principais telas do protótipo.

1. Introdução

O mercado de software está cada vez mais voltando seu foco principal para o consumo em massa (PAGLIUSO, 1998). Na atualidade, muitos professores e alunos utilizam produtos de software educacional como recursos de trabalho, aplicando-os em diversos tipos de atividades de ensino e aprendizagem. A utilização destes software varia segundo o contexto, segundo o nível de ensino, a idade e a área temática, dentre outras.

Entretanto, tem software que, sem ter sido desenvolvido para escolas e colégios, é muito utilizado por se adaptar, de maneira adequada, às necessidades de professores e alunos.

Assim, o controle da qualidade de software surge como uma necessidade e, para tanto, deve-se adotar técnicas, critérios e políticas bem definidas visando a avaliação da qualidade do software educacional. Para os efeitos deste trabalho consideramos software educacional: aquele programa computacional com características estruturais e funcionais, sustentáveis pedagogicamente, que utiliza-se como auxiliar no ensino, na aprendizagem e na gerência educacional.

Considerando o fato de se ter no mercado uma grande quantidade de software a disposição das instituições de ensino, acreditamos que existe a urgente necessidade para que professores e pessoal técnico de apoio educacional conheçam e saibam aplicar instrumentos para a avaliação e seleção do software educacional.

2. Política de Seleção do Software

Todos os produtos de software, candidatos a serem incorporados ao ambiente de aprendizagem ESCOLA (CLUNIE,2000), deverão ser submetidos a um processo de avaliação antes de se efetivar a incorporação. Assim sendo, é muito importante dispor de procedimentos adequados e ferramentas de apoio para avaliação do produto de software educacional, de forma objetiva e quantitativa.

Os produtos de software desenvolvidos nas fábricas de autoria, seja por professores ou por grupos de alunos sob a supervisão de um professor, também poderão ser incorporados a ESCOLA pelo mantenedor do sistema a partir de recomendação do coordenador da disciplina ou do orientador pedagógico do colégio. Assim sendo, o ambiente de software educacional poderá ser enriquecido com os trabalhos realizados com as outras ferramentas que compõem a plataforma e com os produtos educacionais avaliados que satisfaçam os critérios definidos conforme cada caso e categoria de software.

Para apoiar as atividades de avaliação de software educacional, a seguir, apresentamos a especificação da ferramenta de apoio à avaliação de software educacional – SASE - que propomos para se integrar à plataforma de trabalho.

3. Especificação do Avaliador de Software

A seguir é especificada a ferramenta para apoio à avaliação de software educacional candidato a ser incorporado a ESCOLA. É apresentado o objetivo, a descrição, identificados os usuários, identificados os requisitos funcionais, os requisitos de qualidade e os requisitos de interface.

3.1 Objetivo

A ferramenta para avaliação de software educacional tem o propósito de auxiliar o usuário no processo de avaliação da qualidade para a seleção de software educacional que será incorporado a ESCOLA.

3.2 Descrição

A ferramenta visa ajudar professores e equipe pedagógica de instituições de ensino na avaliação e seleção dos diversos produtos de software educacional (tutor, exercício e prática, simulação, jogos e sítio web) que conformarão o acervo escolar, considerando quatro visões: a do professor ou especialista em conteúdo, a do orientador pedagógico, a do especialista em comunicação visual e a do especialista em Informática Educativa. Para realizar a avaliação são utilizados os instrumentos para avaliação da qualidade de software educacional apresentados no Anexo 3.

A ferramenta fornece ao usuário uma síntese das opiniões dos especialistas de maneira individual e coletiva permitindo, ainda, o acesso às informações relativas ao processo de avaliação que inclui: respostas aos instrumentos de avaliação de determinado software, resultados da avaliação, características do software e os pesos empregados nas avaliações, entre outros.

A ferramenta apresenta, também, um relatório, segundo a categoria ou tipo de software, contendo as informações do software selecionado para ser instalado em ESCOLA.

3.3 Requisitos funcionais

Considerando o objetivo, anteriormente apresentado, no começo desta seção, a seguir são identificados os requisitos funcionais da ferramenta de apoio à avaliação de software educacional.

Fornecer uma lista de verificação: a ferramenta fornece uma lista de verificação para o usuário preencher e valorar as características de qualidade presentes no software educacional de acordo à modalidade de software e se considerando a visão do especialista específico.

Apoiar o processo de avaliação do software educacional: a ferramenta apoia o processo de avaliação do software educacional específico, de acordo às respostas aos itens da lista de verificação fornecidas pelo avaliador.

Gerar relatório de avaliação: a ferramenta gera relatórios contendo os dados do avaliador, as respostas aos itens de avaliação, comentários do avaliador e uma síntese das opiniões dos especialistas. Mostra a relação de software educacional aprovados e fornece gráficas representando aspectos relativos ao processo de avaliação.

Permitir consultas relativas ao processo de avaliação: a ferramenta possibilita o acesso ao banco de dados das avaliações disponibilizando informações relativas à valoração dos diversos especialistas, às suas recomendações, aos software/ sítio web avaliados etc.

Permitir manutenção dos instrumentos/critérios de avaliação: a ferramenta permite fazer modificações aos diversos instrumentos de avaliação, de acordo à modalidade de software e à visão dos especialistas. Permite, também, modificar os pesos das características segundo a especialidade.

3.4 Requisitos de qualidade

Baseado na norma ISO/IEC 9126, na ISO/IEC 12119, e em critérios de qualidade identificados em CASTRO (1999), BARNES (1999), GONZÁLEZ (1998), GÁLVEZ (1998), RIVERA (1998), SQUIRES (1997), HERNÁNDEZ & CLUNIE (1994), CAMPOSG (1994), CAMPOS & ROCHA (1993), GALVIS (1992, 1997), identificamos atributos de qualidade da ferramenta para avaliação de software educacional: Adequação: a ferramenta deve possibilitar o conjunto de funções necessárias para a realização das tarefas de avaliação especificadas (apoiar pré-avaliação, apoiar avaliação de software educacional, apoiar avaliação de sítio/web, manter cadastro de avaliador, manter cadastro de software educacional, manter instrumentos de avaliação, gerar relatório).

Relevância: a ferramenta deve ser relevante ao usuário considerando-se a sua utilidade e importância para o trabalho da equipe pedagógica.

Modificabilidade: a ferramenta deve possibilitar, com facilidade, a realização de modificações.

Segurança de acesso: a ferramenta deve possuir mecanismos que garantam o acesso apenas aos usuários autorizados. Precisão da informação: a ferramenta deve fornecer, somente, informações precisas, ou seja, que não coloquem ao usuário em situações de dúvida.

Completitude da informação: a ferramenta deve fornecer as informações necessárias para instruir aos avaliadores sobre determinado assunto.

Capacidade para ser instalado: a ferramenta deve ser fácil de instalar na plataforma operacional escolhida.

3.5 Requisitos de interface

A seguir são identificados os requisitos de interface da ferramenta de apoio à avaliação de software educacional com seus usuários. Além dos requisitos de interface apresentar uma interface simples, utilização de recursos gráficos, consistência na interação, seleção de auxílio, apreensibilidade, apoio à navegação e uso de termos familiares já descritos na seção 5.3.6 tem-se ainda: Uso de termos familiares: todas as informações contidas no diálogo entre o sistema e os usuários devem ser apresentadas de forma natural e lógica, expressas claramente em palavras, frases e conceitos familiares ao usuário.

Facilidade de localização de informação: a interface do sistema deverá facilitar a localização dos diferentes assuntos pelos usuários finais.

Suporte a saídas de emergência: a interface do sistema deverá fornecer saídas de emergência claras e bem identificadas para facilitar o abandono da tarefa de forma simples, rápida e segura.

Precisão nas mensagens de erro: as mensagens de erro fornecidas pela interface do sistema devem indicar precisamente qual foi o problema de interação detectado e como consertá-lo.

4. Ferramenta de Apoio à Avaliação de Software Educacional

Considerando que todos os produtos de software educacional, candidatos a serem incorporados ao ambiente ESCOLA, devem ser submetidos a um processo de avaliação antes de se efetivar a incorporação, foi desenvolvida uma ferramenta de apoio à avaliação de software educacional, atendendo às especificações apresentadas. Assim sendo, para efetivar o processo de avaliação, a ferramenta é alimentada com as informações contidas nos instrumentos de avaliação que foram desenvolvidos para que os avaliadores, de acordo com sua especialidade, registrem a sua opinião.

4.1 Instrumentos de avaliação

Baseado na norma ISO/IEC 9126, que define características de qualidade de produtos de software, na ISO/IEC 12119, que define requisitos para seleção de pacotes de software, e em critérios de qualidade identificados em CASTRO (1999), BARNES (1999), GONZÁLEZ (1998), GÁLVEZ (1998), RIVERA (1998), SQUIRES (1997), HERNÁNDEZ & CLUNIE (1994), CAMPOSG (1994), CAMPOS & ROCHA (1993), GALVIS (1992, 1997), foram desenvolvidos instrumentos de avaliação que apresentam os requisitos de qualidade que deverão ser satisfeitos pelos produtos de software a serem incorporados no ambiente de aprendizagem ESCOLA.

Foram criados instrumentos de avaliação para software educacional nas modalidades tutorial, exercício e prática, simulação, jogos e site na Internet, considerando-se quatro visões: do especialista em conteúdo, do orientador pedagógico, do projetista visual e do especialista em Informática na Educação. De acordo com a especialidade do avaliador, para cada instrumento de avaliação foi identificado e definido um conjunto de características de qualidade, que chamamos de critérios de avaliação, com o intuito de estabelecer mecanismos confiáveis que ajudem os professores na avaliação do software educacional. Esses critérios são avaliados através de um conjunto de perguntas associadas (ou listas de verificação), que podem ter como resposta uma das opções na seguinte tabela.

Tabela 1: Avaliação de software educacional

 
Escala de Valoração
Nomenclatura
Peso
Muito de Acordo
MA
1
De acordo
A
0,75
Em Desacordo
D
0,50
Total Desacordo
TD
0,25
Não Aplica
NA
0

4.2 Validação dos instrumentos de avaliação

A definição e a validação dos instrumentos foi realizada durante o trabalho com alunos de três turmas do curso Avaliação de Produtos Informáticos Educacionais, da pós- graduação do Programa de Informática Aplicada à Educação, oferecido pela Faculdade de Engenharia de Sistemas Computacionais, da Universidade Tecnológica do Panamá, durante o período 1998-2000. A aplicação nas turmas, dos instrumentos de pré-avaliação e avaliação propostos, visou um processo progressivo de refinamento dos critérios de avaliação definidos e a viabilidade de utilização dos instrumentos de avaliação em situações reais, dentro do contexto escolar:

4.2.1 Objetivo

O experimento realizado teve o objetivo de verificar a adequação, dos instrumentos de pré-avaliação e avaliação de software educacional, na perspectiva de múltiplas especialidades, para diversas modalidades de software educacional, que servissem de base para o processo de seleção do software disponível no ambiente ESCOLA.

4.2.2 Definição da amostra

A fim de realizar a validação dos instrumentos de avaliação de software educacional foi desenvolvida, nos anos 1998 – 2000, uma experiência de aplicação dos instrumentos de avaliação. A amostra constou de dez software educativos (ver Tabela 2) e de um total de 33 professores de diferentes especialidades (Pedagogia, Educação, Matemática, Projeto Visual, Informática, Inglês e outros), que realizam atividades docentes e de administração nos níveis Fundamental, Médio e Superior, como mostrado na Tabela 3

Tabela 2: Relação dos software avaliados

 
Nome do Software 
Disciplina 
Área Temática
Nível
de Ensino
Modalidade
Acentúa y Aprende Espanhol Regras de Acentuação série fundam. Tutor
Explorando el Sistema Solar Ciências Sistema Solar série fundam. Simulação
Prematic Matemática Cálculo Dif. e Int. série médio Tutor
Math-Blaster 2 Matemática Operações aritméticas 3ª,4ª série fundam Jogo Educativo
O Corpo Humano Ciências O Sistema Digestivo 2ª,3ª série fundam Simulação
Formitas Matemática Formas Geométricas série fundam. Tutor
Mates Blaster 1 Matemática Operações aritméticas básicas 1ª,2ª série fundam Exercício e Prática
BodyWork Ciências Ciências/Biologia série fundam. Simulação
Preschool Inglês A Família, Profissões série fundam. Jogo Educativo
Kindergarden Inglês Brinquedos, Sala de aula ... série fundam. Jogo Educativo

Tabela 3: Relação de professores que participaram na avaliação de software educacional

 

Programa: Pós-Graduação em Informática Aplicada à Educação
Disciplina: Avaliação de Produtos Informáticos Educacionais
Período: 1998 - 2000
Turmas: 3
 
Especialidade
Nível de Ensino
Quantidade
Total de Professores
Pedagogia
Fundamental
3
4
Médio
1
 
Matemática
Fundamental
5
8
Médio
1
Superior
2
Informática
Superior
3
3
Educação
Fundamental
5
5
Médio
Física
Médio
1
1
Comunicação Social
Superior
2
2
Espanhol
Fundamental
2
3
Médio
1
 
Psicologia
Superior
1
1
Projeto Visual
Superior
2
2
Inglês
Médio
2
2
Contabilidade
Médio
2
2
33 professores

4.2.3 Definição dos instrumentos de avaliação

Para a realização da experiência de validação, foram definidos, inicialmente, os instrumentos de pré-avaliação, avaliação segundo a especialidade (Conteúdo, Pedagogia, Comunicação Visual, Informática Educativa) e avaliação de Sítio Web. Posteriormente, a partir dos instrumentos organizados por especialidade, foi definido um novo conjunto de instrumentos considerando as diversas modalidades de software educacional, atingindo um total de 12 instrumentos:
 

  • Um instrumento de pré-avaliação onde são definidas questões que valoram a relevância e pertinência do software educacional, aspectos da interatividade, da categoria do software propriamente dita e da viabilidade de uso do software educacional.

  •  
  • Dez instrumentos de avaliação organizados de acordo com as modalidades de software educacional (tutor, exercício e prática, simulação e jogo educativo) considerando as diversas especialidades (Conteúdo, Pedagogia, Comunicação Visual e Informática Educativa).

  •  
  • Um instrumento de avaliação de Sítio Web.

  •  

     

    4.2.4 Aplicação dos instrumentos de avaliação

    O conjunto de instrumentos definidos no item anterior, foi aplicado no curso Avaliação de Produtos Informáticos Educacionais do Programa de Especialização em Informática Aplicada à Educação. Esse curso é ministrado durante 16 semanas de aula, onde cada aula tem uma duração de 55 minutos, e representa um dos cursos finais do programa.

    Foram realizadas sessões teóricas e práticas, sendo que nas sessões teóricas os alunos tiveram a possibilidade de pesquisar e discutir sobre temas de Engenharia de Software aplicada ao desenvolvimento de software educacional e à avaliação da qualidade, obtendo assim subsídios necessários para participar na sua própria experiência prática em avaliação de software educacional. Ao final das sessões teóricas os alunos participaram na discussão do instrumento de pré-avaliação e dos instrumentos de avaliação, dos critérios para a interpretação dos resultados, assim como, também, da atribuição dos pesos aos critérios definidos nos instrumentos. Cada aluno participou e forneceu contribuições de acordo com a sua especialidade e interesse. Nesse momento, ele já tinha os conhecimentos necessários para a realização de avaliações.

    Cada aluno (professor) teve a responsabilidade de avaliar um software educacional. Para isto, de acordo com sua especialidade, respondeu o instrumento de avaliação correspondente, assinalando em uma escala nominal de avaliação: MA, A, D, TD ou NA, conforme apresentado na Tabela

    1. Finalizada a experiência, cada aluno comentou o processo de avaliação apresentando seus resultados e as dificuldades encontradas, sob dois pontos de vista: relativo ao software e relativo ao instrumento de avaliação. Os comentários relativos ao software, se positivos ou negativos, ficam registrados no próprio instrumento de avaliação. Dentre os comentários relativos ao instrumento, podemos citar os seguintes:
     

  • Os alunos acharam muito úteis os instrumentos como guia para a avaliação;

  •  
  • Alguns alunos acharam o instrumento muito longo. Foi recomendado, no caso de não se contar com o especialista para realizar a avaliação, o uso de instrumentos mais genéricos;

  •  
  • Algumas perguntas foram consideradas muito especializadas, as quais, as vezes, nem todos os especialistas têm condições de responder. Recomendou-se que as perguntas (listas de verificação) fossem redigidas o mais simples possível, se considerando um usuário não especialista;

  •  
  • Foi comentado que os colégios não possuem um conjunto de especialistas que permita a avaliação tão detalhada e especializada;

  •  
  • Foi sugerida a necessidade de uma ferramenta automatizada para o tratamento dos dados coletados;

  •  
  • Os alunos consideram os instrumentos uma ajuda valiosa mas não a última palavra para efeitos de escolha do software.

  •  

     

    Para esclarecimento dos pontos em conflito e dificuldades apresentadas, foram realizadas reuniões grupais onde as dificuldades foram discutidas e resolvidas até se chegar num consenso com os avaliadores. O resultado das interações grupais levou, algumas vezes, à reformulação das questões apresentadas nos instrumentos de avaliação. Em algumas ocasiões, entretanto, a seção do instrumento destinada aos comentários positivos/negativos do software avaliado, resultou determinante com relação ao resultado da avaliação do produto. Para a obtenção de resultados quantitativos da avaliação, foi solicitado aos alunos que atribuíssem, para cada critério, um valor percentual (%). Este valor, que chamamos de peso, reflete o grau de importância da característica considerando o juízo pessoal do avaliador. A soma total dos pesos atribuídos ao conjunto de critérios que pertencem a um determinado instrumento de avaliação deve ser igual a 100. Para a determinação do valor final de cada peso, baseado num consenso de grupo, foi calculada a média dos valores propostos.
     

    4.3 Processo de avaliação do software

    Para avaliar um produto de acordo com uma característica específica, aplica-se a relação:

    Pontagem=(Total de pontos obtidos nas respostas/# de perguntas aplicáveis)*100
     

    EXEMPLO:

    Característica Objetivos

    1. São definidos claramente de forma explícita
    MA A D TD NA

    2. São coerentes com os objetivos educacionais do currículo
    MA A D TD NA

    3. São coerentes com os objetivos da disciplina
    MA A D TD NA

    4. Seu nível corresponde ao que convém apoiar com o uso do computador
    MA A D TD NA

    Pontagem = (1 + 0,75 + 1 + 1) / 4 * 100 = 93,75

    Característica Exemplos

    1. Ilustram aspectos chaves do conteúdo
    MA A D TD NA

    2. São relevantes para ilustrar o conteúdo
    MA A D TD NA

    3. São variados e suficientes para atingir o domínio dos objetivos
    MA A D TD NA

    4. Permitem exercitar e comprovar o domínio dos objetivos
    MA A D TD NA

    5. Permitem a transferência e generalização do aprendido
    MA A D TD NA

    Pontagem = (0,50 + 0,50 + 1 + 1) / 4 * 100 = 75,00

    Os resultados são interpretados de acordo com a Tabela 4, apresentada a seguir:

    Tabela 4: Interpretação de resultados
     

    Intervalos
    Interpretação
    85 < X < 100
    Excelente
    75 < X < 85
    Bom
    50 < X < 75
    Regular
    X < 50
    Deficiente

     

    Para calcular a avaliação individual por especialista, se multiplicam os resultados obtidos em cada uma das características de avaliação pelo peso definido, de acordo à categoria de software, e, a seguir, se sumam os valores obtidos. A Tabela 5, a seguir, mostra como é calculada a avaliação de Conteúdo na modalidade Tutorial.

    Tabela 5: Modalidade Tutorial – Especialidade Conteúdo
     

     
    Característica Pontagem Peso Peso * Característica
    Objetivo
    93,75
    25%
    23,43
    Conteúdo
    75,10
    40%
    30,04
    Ambiente
    76,50
    15%
    15,30
    Exemplos
    75,00
    20%
    15,00
    Avaliação  =  83,77 = Bom               83,77

    Por fim, para calcular a avaliação geral do software, somam-se os valores obtidos de acordo a cada uma das especialidades.

    5. Arquitetura

    A arquitetura do avaliador da qualidade do software educacional é apresentada na Figura 1, e considera a interface, o módulo de controle, o módulo de avaliação e o gerador de reportes.

     

    Interface: viabiliza a comunicação entre os usuários (especialista em conteúdo, orientador pedagógico, especialista em comunicação visual, especialista em Informática Educativa) e o avaliador de software educacional. É a responsável pela apresentação das informações aos usuários.

    Módulo de controle: registra e controla o acesso dos diversos usuários ao sistema de avaliação.

    Módulo de avaliação: é o responsável pelo processamento das informações dos instrumentos de avaliação preenchidos pelos especialistas conforme a categoria de software (tutor, exercício e prática, simulação, jogo e sítio/web).

    Módulo gerador de relatórios: processa os dados e as informações armazenadas no banco de dados de acordo com o tipo de relatório a ser gerado.

    Banco de dados (BD): armazena os dados coletados dos avaliadores, das características dos produtos avaliados e dos resultados da avaliação de cada software educacional.

    6. Implementação

    A ferramenta foi construída obedecendo a um padrão único nas suas telas de trabalho. Os dados são solicitados e os resultados apresentados ao usuário no formato de tabelas, o que facilita a visualização e localização de dados específicos. Para as operações de edição (inserção, deleção e alteração), foram criadas barras padronizadas de botões, que facilitam a execução das operações. A tela principal da ferramenta apresenta um menu inicial com seis opções: avaliação, consulta, relatório, manutenção, ajuda e sair; que permitem realizar os trabalhos de avaliação junto à ferramenta. O módulo de avaliação disponibiliza o acesso ao processo de avaliação propriamente dito, que inclui a captação de informações relativas às características do avaliador, do software educacional, dos requisitos de hardware/software e os instrumentos de pré-avaliação e avaliação de especialistas, considerando as categorias de software educacional definidas.

    A seguir, descrevemos as funções e apresentamos algumas das principais telas da ferramenta.

    Quando, no menu Programas de ESCOLA, o professor escolher a opção Avaliador de Software Educacional será apresentada a tela de rosto. Ao clicar na tela de rosto, o professor é solicitado a introduzir sua senha. Se correta, terá acesso à área de trabalho. A Figura 2 mostra a Área de trabalho da ferramenta.

     

    Na tela principal são apresentadas e explicadas as opções de trabalho disponíveis: Avaliação, Consulta, Relatórios, Manutenção, Ajuda e Sair.

    Antes de realizar uma avaliação, deve-se registrar o software a ser avaliado e os dados do avaliador. As Figuras 3 e 4 mostram as telas para o registro do software educacional e os dados do avaliador, respectivamente.

     


    Para se efetivar uma avaliação, o software deve ter sido submetido a processo de pré-avaliação, como mostrado na Figura 5. Se a pré-avaliação não for feita, não será liberado o software para se avaliar.

     

    A Figura 6, a seguir, mostra o instrumento de avaliação de software educacional na visão do Especialista em Conteúdo, para o critério Objetivos na modalidade Exercício e Prática.

     

    Na opção Consulta, pode-se ter acesso aos resultados das avaliações individuais dos especialistas, conforme área específica. Tem-se, ainda, acesso à Valoração Geral do Sítio Web, Valoração Geral por Especialidade, Valoração Geral do Software e o Catálogo de Software Avaliados. A Figura 7 mostra a Valoração de software na modalidade Exercício e Prática na visão do Especialista em Conteúdo.

    Para se ter acesso a uma síntese da opinião dos especialistas em uma determinada especialidade, pode-se consultar a Valoração Geral por Especialidade, na opção Consulta. Estes resultados são apresentados em forma gráfica. A Figura 8, mostra um ejemplo de Valoração Geral por Especialidade.

     

    A opção Manutenção, possibilita o acesso às atividades de manutenção que inclui as modificações aos instrumentos de pré- avaliação, aos instrumentos de avaliação, aos pesos das características por especialidade, de acordo com a modalidade de software educacional, assím como às informações do banco de dados de avaliações. A Figura 9, a seguir, mostra a tela de asignação de pesos das características, de acordo com a modalidade de software educacional e ou site na Internet. Como exemplo mostra-se a tela dos pesos da modalidade de software tutorial, na visão do especialista em conteúdo.

     

    7. Comentários Finais

    Avaliar software não é uma tarefa trivial. A questão torna-se, ainda, mais complexa quando trata-se de avaliar software educacional. No entanto, no processo de avaliação do software educacional é importante a participação de especialistas de diversas áreas de conhecimento relativas às necesidades pedagógicas e informativas dos alunos, à comunicação e/ou transmissão das informações e aos aspectos tecnológicos, de desempenho e de uso do software.

    Durante a avaliação do software faz-se necessário dispor das ferramentas e recursos automatizados que apoiem o processo e o tratamento dos dados coletados. Nesse sentido SASE da resposta às necessidades dos diversos tipos de usuários para a avaliação de diferentes categorias de software educacional.

    8. Bibliografia