Canela, um sabor a mais na sua vida - projetos de aprendizagem com o uso da tecnologia: uma experiência com 7ª série do ensino fundamental


Eliane Schlemmer Grings
Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Centro de Ciências Humanas
Brasil
elianes@poa.unisinos.br
Bernardina Josefina Boniatti de Brito
Escola Municipal de Ensino Fundamental Ernesto Dornelles
Brasil
marilda@serragaucha.com.br

 
Rosane Janice Bohrer
Escola Municipal de Ensino Fundamental Ernesto Dornelles
Brasil
marilda@serragaucha.com.br

Resumo

Este artigo apresenta o relato do desenvolvimento de projetos de aprendizagem utilizando as novas tecnologias com estudantes de 7ª série da Escola Municipal de Ensino Fundamental Ernesto Dornelles, no município de Canela. Atualmente, os estudantes estão desenvolvendo o projeto: “Canela, Um Sabor a Mais na Sua Vida”, cuja temática foca o turismo no município de Canela, uma vez que esse é a principal fonte de renda do mesmo.

Tal experiência representa uma mudança significativa no paradigma educacional que anteriormente subsidiava a prática dos professores, pois, utiliza as Novas Tecnologias de Informação e Comunicação numa abordagem didático-pedagógica inovadora, que tem como pressuposto a concepção epistemológica interacionista, tendo como referencial teórico principal a Epistemologia Genética de Jean Piaget. Através de uma metodologia de projetos de aprendizagem e o uso das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação oportuniza-se ao sujeito a descoberta do desejo de aprender, possibilitando, um ambiente de aprendizagem no qual a atividade do sujeito em interação com os demais objetos de conhecimento é fator essencial para despertar a curiosidade, desenvolver a autonomia, a criatividade e a cooperação. Busca-se através desse projeto, resgatar e conscientizar a comunidade local sobre a importância do turismo para a cidade e os benefícios que traz no âmbito social, cultural, político, econômico e profissional.
 

Abstract

This article presents the report of the development of learning projects using the new technologies with students of Seventh Series of the Municipal School of Fundamental Teaching Ernesto Dornelles, in the municipal district of Canela. Nowadays, the students are developing the project " it Channels, A flavor More in your Life ", whose thematic seal the tourism in the municipal district of Canela, once that is to main source of income of the same. Such experience represents a significant change in the educational paradigm that previously subsidised the teachers' practice, because, it uses new Technologies of Information and Communication in a pedagogic didactic approach innovative, that it has as presupposition the conception epistemological interactionist, tends as main theoretical referential Jean Piaget's Genetic Epistemology. Through a methodology of learning projects and the use of the new Technologies of Information and Communication giving the opportunity to the subject the discovery of the desire of learning, making possible, a learning atmosphere in which the subject's activity in interaction with the other knowledge objects, is essential factor to wake up the curiosity, to develop the autonomy, the creativity and the co-operation. It is looked for through of that project, to rescue and to become aware the local community on the importance of the tourism for the City and the benefits that it brings in the ambit social, cultural, political, economical and professional.
 

1. Introdução

O município de Canela tem uma população de 35 mil habitantes e está situado na Região das Hortênsias, nos Campos de Cima da Serra Gaúcha, a 130 km de Porto Alegre, Capital do Estado do Rio Grande do Sul. Canela é reconhecida nacionalmente como uma Cidade Turística, devido a sua beleza natural, qualidade de vida, gastronomia, infra-estrutura hoteleira e eventos que são organizados para propiciar aos turistas momentos de lazer, cultura e descanso.

Devido a importância do Turismo para a cidade, professores e alunos de 7ª série da Escola Municipal de Ensino Fundamental Ernesto Dornelles, estão desenvolvendo o projeto: “Canela, Um Sabor a mais na Sua Vida”, juntamente com a comunidade, no intuito de melhor conhecer e orientar os turistas que visitam a cidade. Busca-se através desse trabalho, despertar no estudante o interesse por atividades profissionais relacionadas ao turismo, bem como incentivar a descoberta de novas possibilidades que a cidade poderá oferecer aos visitantes.
 

2. O Projeto

2.1. Como iniciou o projeto A iniciativa surgiu a partir da necessidade percebida pelos professores de trabalhar a realidade e o interesse do estudante, de criar espaços para aprendizagem significativa e prazeirosa e de vivenciar uma proposta educacional inovadora, que não se limita as salas de aula e aos conteúdos sugeridos, mas sim que abre espaço à curiosidade, à inventividade e à análise e busca de soluções para os problemas da sociedade atual percebidos pelos estudantes. A metodologia de projetos de aprendizagem surge como uma alternativa criativa para as exigências da comunidade local, resignificando o papel da escola, funções do professor, desenvolvendo talentos e estimulando processos de criação e produção cooperativa. O projeto foi pensado e idealizado por estudantes da 7ª e 8ª série com a ajuda de pais e professores, e tem como tema o turismo. Está sendo desenvolvido com 61 estudantes, na faixa etária entre 12 a 14 anos, correspondente a duas turmas de 7ª série do Ensino Fundamental e coordenado pelas professoras responsáveis pelo Laboratório de Informática na Educação da escola. Estão envolvidos no projeto os professores das seguintes áreas de conhecimento: Português, Matemática, Artes, História, Geografia, Ciências, Educação Física, Religião e Espanhol.

A iniciativa está tendo uma repercussão muito positiva na comunidade canelense, e, atualmente, recebe apoio da Prefeitura Municipal de Canela, Secretaria Municipal de Educação e Cultura, Secretaria Municipal de Turismo, empresas, entidades e amigos colaboradores da escola, os quais auxiliam através da manutenção de equipamentos, fornecimento de materiais, palestras, cursos, etc. Tudo isso contribui para o enriquecimento e o fortalecimento do trabalho, trazendo reconhecimento à escola.

2.2. Justificativa

Observando a realidade atual, e, percebendo as constantes e aceleradas modificações que estão ocorrendo nas representações, nos valores sociais, nos conhecimentos, acreditamos que a escola é em grande medida geradora de resposta aos problemas e às necessidades sociais. Assim, o grupo de professores, com a certeza de que a educação escolar precisa ser repensada e que precisa ser resgatado no estudante o prazer de aprender e a alegria em freqüentar a escola, aceitou o desafio de criar e vivenciar uma prática educativa inovadora utilizando recursos tecnológicos do nosso tempo. Canela é uma cidade turística, porém a grande parte dos nossos estudantes não tem conhecimento sobre a importância do turismo no desenvolvimento do nosso município. É de grande valia conscientizá-los no sentido de formar cidadãos conscientes da sua atuação na sociedade, valorizando e despertando o gosto pela principal atividade do municipio - o turismo - ao mesmo tempo em que preservam o meio em que vivem.

2.3. Objetivos

Além dos estudantes terem os seus objetivos quanto ao desenvolvimento do projeto, os professores envolvidos no processo também tem como objetivos com esse projeto:
 

  • Despertar nos estudantes o interesse pelo turismo, levando- os a conhecer a principal fonte de renda do município.
  • Propiciar um espaço para o início de uma qualificação profissional.
  • Conscientizar e educar os estudantes sobre a importância e os benefícios que o turismo traz para a comunidade.
  • Desenvolver nos estudantes uma postura adequada para atender ao turista.
  • Possibilitar situações através das quais o estudante possa conhecer o histórico de cada ponto turístico, suas características ambientais para melhor orientar o visitante quanto a importância da preservação do meio ambiente.
  • Desenvolver no estudante a capacidade de tornar-se observador e crítico.
  • Propiciar espaços para o desenvolvimento de talentos, habilidades e competências, as quais permitirão ao sujeito mudar de uma profissão para outras emergentes durante a sua vida profissional.

  •  
     
     

    2.4. Referencial Teórico

    Tendo como base uma concepção epistemológica interacionista, utilizamos como referencial teórico para subsidiar a prática didático-pedagógica a Epistemologia Genética de Jean Piaget. O referencial de projetos trazemos dos estudos realizados por Fagundes, Maçada e Sato (1999) e Hernández (1997). E a consciência de que somente introduzir computadores na educação não garante uma real aprendizagem e desenvolvimento do estudante nos remetem aos estudos realizados por pesquisadores como Fagundes (1997), Levy (1998) e Papert (1994), que se preocupam em compreender como ocorre a construção do conhecimento em ambientes de aprendizagem tecnológicos.

    Piaget na construção de sua teoria – Epistemologia Genética - se dedicou a estudar como se origina o conhecimento, que condições são necessárias para que se passe de um conhecimento menos organizado para um conhecimento mais organizado.A tese principal de Piaget é a de que o desenvolvimento é uma função da atividade do sujeito em relação ao meio.

    A concepção de Piaget sobre inteligência remete a uma abordagem na qual o desenvolvimento do pensamento é um processo de autêntica construção. Para Piaget, a inteligência é uma forma de adaptação. É uma contínua construção criando formas cada vez mais complexas e buscando uma equilibração progressiva entre o organismo e o meio. Essa continuidade, assume significado a partir da estrutura anatômica e morfológica, passando pelos sistemas de reflexos levando aos hábitos e associações adquiridos, dando origem à inteligência prática ou sensório-motora num crescente à inteligência refletida.

    Com relação a cognição, Piaget coloca como fatores gerais do desenvolvimento mental, cuja responsabilidade é variável a: maturação, experiência, interação e equilibração.

    A maturação nervosa, a qual é necessária mas não suficiente para explicar o surgimento das estruturas operatórias do pensamento.

    O exercício da experiência, a qual é adquirida na ação realizada sobre os objetos. Também necessário, mas somente ele não explica a gênese do desenvolvimento.

    A interação e transmissões sociais, aqui, citamos a linguagem com um fator do desenvolvimento, mas não como sendo sua fonte. Para Piaget, há instrumentos de assimilação que são anteriores à linguagem. No nível operatório há vários exemplos mostrando que a operação está muito mais próxima da ação do que da verbalização, o que evidencia que de uma maneira geral, o desenvolvimento operatório precede a expressão verbal.

    A equilibração, a qual é necessária para explicar os anteriores. É um fator interno do desenvolvimento, é um processo conduzido por reflexão e reconstrução a estados de estruturação superiores, os sucessivos desequílibrios e equilibrações compõe o ciclo dialético do desenvolvimento. O desenvolvimento do conhecimento é um processo espontâneo que se relaciona com a totalidade de estruturas do conhecimento. A aprendizagem , em geral, é provocada por situações externas. O desenvolvimento explica a aprendizagem, e é um processo essencial onde cada elemento da aprendizagem ocorre como uma função do desenvolvimento total, portanto, a aprendizagem está subordinada ao desenvolvimento. A aprendizagem somente ocorre quando há da parte do sujeito uma assimilação ativa: ‘Toda a ênfase é colocada na atividade do próprio sujeito, e penso que sem essa atividade não há possível didática ou pedagogia que transforme significativamente o sujeito”. (Piaget, 1972). Para Piaget, o conhecimento não é uma cópia da realidade, nem simplesmente olhar, fazer uma cópia mental ou imagem de um acontecimento: “Conhecer é modificar, transformar o objeto, e compreender o processo dessa transformação e, conseqüentemente, compreender o modo como o objeto é construído” (Piaget, 1972).

    O conhecimento é uma relação de interdependência entre o sujeito e seu meio, tem um sentido de organização, estruturação e explicação a partir do experenciado. Nesta concepção o conhecimento é construído pelo sujeito que age sobre o objeto percebido interagindo com ele, sendo as trocas sociais condições necessárias para o desenvolvimento do pensamento.

    “.... na vida social, como na vida individual, o pensamento procede da ação e uma sociedade é essencialmente um sistema de atividades, cujas interações elementares consistem, no sentido próprio, em ações se modificando umas às outras, segundo certas leis de organização ou equilíbrio ." (Piaget, 1973, p.33)

    A ação constitui um conhecimento (sovoir faire) autônomo, sendo que, a conceituação se dá por tomadas de consciência posteriores, e estas procedem de acordo com uma lei de sucessão que vai das zonas de adaptação ao objeto para atingir as coordenações internas das ações, sendo que, a partir de um certo nível há influência resultante da conceituação sobre a ação. A conceituação fornece à ação um aumento do poder de coordenação, já imanente à ação, e isso sem que o sujeito estabeleça fronteiras entre a sua prática (o que fazer para conseguir?) e o sistema de seus conceitos (por que as coisas se passam desta maneira?). Nas situações em que os problemas são diferentes e em que se trata de compreender e não de conseguir, o sujeito, capacitado por suas ações a estruturar operacionalmente o real, permanece por um longo tempo inconsciente de suas próprias estruturas cognitivas, ele não faz dessas estruturas um tema de reflexão antes de ter atingido um nível elevado da abstração. É no processo de abstração por reflexão, a qual sucede uma “abstração reflexiva”, onde o próprio produto da precedente torna-se objeto de reflexão e de formulação consciente, que torna-se possível uma programação completa da ação a partir da conceituação.

    É a lógica do indivíduo e as explicações físicas que ele obtém por meio delas que modificam as ações, fornecendo-lhes novos meios até então não utilizados. Para Piaget (1978), compreender é isolar a razão das coisas, e fazer é somente utilizá-la com sucesso, o que é, uma condição preliminar da compreensão, mas que esta ultrapassa, pois atinge um saber que vem antes da ação e pode abster-se dela. De acordo com Fagundes, Maçada e Sato (1999),

    "A grande maioria das metodologias educacionais, e de suas tecnologias, que atualmente são ensinadas nos cursos de formação de professores, mostram-se ineficientes para ajudar o aluno a aprender e desenvolver novos talentos. Não se sabe ajudá-lo a alcançar o poder de pensar, de refletir, de criar com autonomia soluções para os problemas que enfrenta". (Fagundes, Maçada e Sato, 1999 p. 13).

    O que nós professores precisamos é passar de uma visão empirista de treino e prática baseada na instrução, para uma visão construtivista de solução de problemas, favorecimento da interatividade, da autonomia em formular questões, em buscar informações contextualizadas, da comprovação experimental e da análise crítica.

    Numa visão empirista, o ponto de partida é o ensino, a instrução. Assim, segundo Fagundes, Maçada e Sato (1999) "... quando se fala, em "ensino por projetos", pode-se estar falando do plano da escola, do projeto da escola, de projetos dos professores", onde as decisões são tomadas pelo professor, de forma hierárquica, é ele quem escolhe o tema a ser investigado de acordo com a sequência de conteúdos do currículo e controla o processo. O paradigma é o da transmissão do conhecimento.

    Numa visão construtivista, segundo Fagundes, Maçada e Sato (1999), "...falamos em "aprendizagem por projetos"... a formulação de questões é feita pelo autor do projeto, pelo sujeito que vai construir conhecimento ... E é a partir do seu conhecimento prévio, que o aprendiz vai se movimentar, interagir com o desconhecido, ou com novas situações, para se apropriar do conhecimento específico." (Fagundes, Maçada e Sato, 1999 p. 15- 16).

    Na aprendizagem por projetos, quem escolhe o tema são os alunos e professores, ele é gerado pelos conflitos, pelas perturbações do próprio estudante, num determinado contexto, em seu ambiente de vida. A questão a ser pesquisada deve ter como ponto de partida a curiosidade, as dúvidas, as indagações do estudante, o desejo e a vontade do aprendiz, pois a motivação é intrínseca, própria do sujeito que aprende. As decisões são heterárquicas e não imposta pelo professor. O paradigma é o da construção do conhecimento.

    " Quando o aprendiz é desafiado a questionar, quando ele se perturba e necessita pensar para expressar suas dúvidas, quando lhe é permitido formular questões que tenham significação para ele, emergindo de sua história de vida, de seus interesses, seus valores e condições pessoais, passa a desenvolver a competência para formular e equacionar problemas. Quem consegue formular com clareza um problema, a ser resolvido, começa a aprender a definir as direções de sua atividade." (Fagundes, Maçada e Sato, 1999 p. 16).

    No contexto de projetos de aprendizagem, os professores além de serem especialistas também são aprendizes e passam a ser ativadores da aprendizagem, articuladores da prática, orientadores dos projetos.

    " Buscar a informação em si, não basta. É apenas parte do processo para desenvolver um aspecto dos talentos necessários ao cidadão. Os alunos precisam estabelecer relações entre as informações e gerar conhecimento. Não há interesse em registrar se o aluno retém ou não uma informação, aplicando um teste ou uma “prova” objetiva, por exemplo; porque isso não mostra se ele desenvolveu um talento ou se construiu um conhecimento que não possuía. O que interessa são as operações que o aprendiz possa realizar com estas informações, as coordenações, as inferências possíveis, os argumentos, as demonstrações. Pois, para construir conhecimento, é preciso reestruturar as significações anteriores, produzindo boas diferenciações e integrando ao sistema as novas significações. Esta integração é resultado da atividade de diferentes sistemas lógicos do sujeito, que interagem entre si e com os objetos a assimilar ou com os problemas a resolver. Finalmente, o conhecimento novo é produto de atividade intencional, interatividade cognitiva, interação entre os parceiros pensantes, trocas afetivas, investimento de interesse e valores." (Fagundes, Maçada e Sato, 1999 p. 24).

    O desenvolvimento de projetos de aprendizagem favorecem a cooperação, a qual se dá por trocas recíprocas e respeito mútuo. Busca-se aprender conteúdos, por meio de procedimentos que ajudam o sujeito a desenvolver a própria capacidade de continuar aprendendo, num processo construtivo e simultâneo de questionar-se. A avaliação é usada para verificar como o sujeito está pensando, que recursos já utiliza, que relações consegue estabelecer, que operações realiza ou inventa, ou seja, há um acompanhamento de todo o desenvolvimento do sujeito.

    “O ideal da educação não é ensinar o máximo, maximizar os resultados, mas é acima de tudo aprender a aprender, aprender a se desenvolver, e aprender a continuar a se desenvolver, mesmo após deixar a escola.” (Piaget, 1976, p.30).

    Segundo Hernández (1998), os projetos podem representar uma forma de entender o sentido da escolaridade baseado na compreensão, onde os estudantes participam de um processo de pesquisa que tenha sentido para eles e no qual usam diferentes estratégias de estudo. Pode ser uma porta que permita: "aproximarmo-nos da identidade dos alunos e favorecer a construção de sua subjetividade afastados de um prisma paternalista, gerencial ou psicologista ... revisarmos a organização do currículo por disciplinas e a forma de estabelecê-lo no tempo e no espaço escolar ... resgatar o que ocorre fora da escola."

    A introdução da informática na educação, nos leva as idéias de Papert, o qual diz que há um caso de amor com as crianças e o computador, no mundo inteiro. O que elas fazem com os mesmos é tão variado quanto suas atividades e brincadeiras. Papert (1994), coloca que a melhor aprendizagem acontece quando o sujeito assume o comando. Isso pode ser observado quando as crianças começam a se apropriar da tecnologia.

    “Para encontrar os princípios correspondentes para a aprendizagem, temos que olhar para dentro de nós mesmos tanto como para dentro dos computadores: princípios como ‘assumir a responsabilidade’, ‘identidade intelectual’ e ‘apaixonar-se’." (Papert, 1994, p. 33)

    O uso das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na educação podem ajudar a enriquecer os ambientes de aprendizagem, ampliando os espaços de interação, eliminando as barreiras do tempo e do espaço, servindo como extensão das capacidades cognitivas humanas, auxiliando na ampliação dos processos socio-afetivos e contribuindo para o desenvolvimento de uma inteligência coletiva, possibilitando a formação de comunidades aprendentes.

    2.5. Relação do projeto com a proposta pedagógica da escola.

    A proposta pedagógica da escola visa proporcionar aos nossos estudantes, dentro de um ambiente sadio, atividades que possibilitem vivenciar experiências a fim de que possam desenvolver e organizar seu pensamento através da percepção dos fatos, da reflexão sobre eles e da crítica dos mesmos, levando-os a tomarem decisões, optando por situações que eles mesmos selecionem e criem, assumindo posição de escolhas, desenvolvendo o pensamento reflexivo-crítico, permitindo assim expressarem suas idéias.

    Este projeto está em consonância com a proposta, pois contribuirá para que os estudantes vivenciem a principal área sócio-econômica do município e possam desenvolver atividades que levem a uma aprendizagem significativa, aguçada pela observação do contexto social, possibilitando uma reflexão sobre a importância do turismo nas suas vidas, numa visão crítica e criativa de suas potencialidades futuras.

    2.6. Metodologia

    A metodologia utilizada é a de projetos de aprendizagem apartir de plataforma temática. Inicialmente, o grupo de estudantes juntamente com os professores escolheram a plataforma temática - turismo no município de Canela -, após, os estudantes se organizaram em grupos de acordo com o interesse em explorar uma determinada região do município. Assim, formaram-se três grupos. Cada grupo se reuniu e elencou conhecimentos que possuíam sobre a região escolhida - certezas provisórias - e as dúvidas temporárias sobre as quais iriam investigar. Deu-se início ao planejamento e desenvolvimento do projeto, o qual envolve definição de objetivos, pesquisa (comunidade, biblioteca, CD- ROM, etc), atividades diversas (visitas, palestras, entrevistas, reportagens, filmagens, elaboração de questionários, maquetes, folders, revista em quadrinhos, apresentação em Power Point, notícias para o jornal local, etc.) e avaliação continuada. Os professores envolvidos semanalmente se reúnem para discutir o desenvolvimento dos projetos verificando quais são os conceitos que os estudantes estão trazendo e como podem ser trabalhados nas diferentes áreas do conhecimento. Os grupos realizam apresentações periódicas do desenvolvimento do projeto para outros grupos para que sejam levantadas novas possibilidades a fim de ampliar e aprofundar o conhecimento. O acompanhamento do projeto é realizado através de relatórios baseado nas observações diárias e nos momentos de troca de idéias entre estudantes, professores e comunidade, após cada atividade realizada, para reflexão dos aspectos positivos e aspectos a melhorar, debatendo as dificuldades encontradas. No final de cada mês é elaborado um parecer descritivo. A avaliação é qualitativa, continuada e formativa, realizada a partir dos pareceres descritivos, relatos espontâneos, fórum de discussão entre as equipes mapeadas e professores , situações reais, tais como: recepção ao turista e guia mirim. O desenvolvimento do projeto está sendo divulgado através de intercâmbio com outras escolas, reportagens em jornais, entrevistas na rádio local, palestras, encontros, painéis, vídeos, slides, folders explicativos, construção de um site na Internet e elaboração de artigo com relato de experiências para divulgação em Congressos, Seminários e Workshop.

    2.7. Recursos

    Para o desenvolvimento do projeto os estudantes utilizam diferentes espaços na comunidade, a própria sala de aula, a biblioteca, o laboratório de informática da escola com 08 computadores (04 com multimídia), um scanner, duas impressoras a jato de tinta, duas impressoras matriciais, uma máquina fotográfica e programas(Microsoft Office, StarOffice, Fine Artist, Creative Writer e Megalogo).

    2.8. Atividades Dentre as principais atividades desenvolvidas pelos grupos no projetos encontram-se:
     

  • Divisão dos pontos turísticos conforme sua localização geográfica;
  • Formação de equipes de acordo com seus interesses, identificando-as e criando caracterização.
  • Palestra com pessoas responsáveis pelo turismo e preservação do meio ambiente no município.
  • Aulas práticas e teóricas de filmagens e fotografias com o apoio da comunidade.
  • Visitação aos pontos turísticos, onde os estudantes realizaram filmagens e fotografaram.
  • Montagem de folders, revista em quadrinhos, boletim informativo contendo informações obtidas sobre os pontos turísticos e eventos promovidos no município;
  • Cursos de formação de guias mirins e recepcionistas.
  • Exploração de trilhas ecológicas, buscando novos pontos turísticos.
  • Atividade de guias mirins e recepcionistas aos pais, em visita aos pontos turísticos e em eventos.
  • Divulgação do conhecimento adquirido através de painéis, vídeos, slides, palestras e reportagens.

  •  
     
     

    2.9. Projeções Futuras

    Como projeções futuras temos:
     

  • Construção de páginas na Internet, para divulgar o trabalho realizado, abrindo espaço de interação para que pessoas de outros municípios possam dar sugestões, bem como solicitar outras informações que não forem disponibilizadas.
  • Busca de parceria com outros municípios que tenham como foco o turismo.
  • Visita a pontos turísticos fora da região. Com a realização do projeto espera-se que os estudantes, professores e a comunidade tenham um conhecimento mais detalhado dos pontos turísticos existentes no município, percebendo a importância da preservação e divulgação do meio ambiente e do patrimônio histórico e cultural, uma vez que o turismo é uma atividade que gera diversidade de trabalho, pois é dele que depende o desenvolvimento sócio-econômico da cidade. Assim, pretende-se despertar nos estudantes o gosto por atividades profissionais relacionadas ao turismo.

  •  
     
     

    3- Resultados e Considerações Finais

    Algumas observações já podem ser realizadas quanto aos resultados que estão sendo verificados a partir do desenvolvimento do projeto, tais como: o desenvolvimento de habilidades e competências de comunicação, integração, criatividade, observação, conscientização, valorização, auto- confiança, autonomia, desenvoltura, afetividade, cooperação, socialização, senso crítico e estético, relação interpessoal, postura, capacidade de análise, receptividade, expressão oral e escrita, percepção visual e auditiva e conhecimento tecnológico verificado na utilização das novas tecnologias de forma criativa e inovadora.

    Quanto ao processo educativo tornar-se dinamizado, pois possibilita uma aprendizagem significativa, através da realização de projetos que são do interesse do estudante, onde ele age, interagindo com e na comunidade em busca da construção do seu conhecimento. A relação professor-aluno, aluno-aluno apresenta-se mais autêntica constituindo-se numa parceria em forma de trocas intelectuais, onde cada sujeito é valorizado pelo conhecimento que traz, e respeitado no seu ponto de vista durante as discussões. A democracia é exercitada num ambiente de afetividade, cooperação e respeito mútuo.

    O projeto “Canela, Um Sabor a Mais na Sua Vida”, está beneficiando a comunidade canelense nos aspectos social, econômico, cultural, ambiental e profissional, através das atividades realizadas durante o seu desenvolvimento. O turista também se beneficia, pois encontrará pessoas preparadas e informadas para melhor atendê-lo.

    Trabalhar a partir de projetos de aprendizagem, aliando as novas tecnologias, tem se mostrado uma alternativa criativa e prazeirosa tanto para os estudantes, como para os professores, pois ambos aprendem, ampliam e aplicam seus conhecimentos de forma satisfatória, saindo da rotina de sala de aula, possibilitando assim uma aprendizagem significativa.
     

    4. Bibliografia