Otimização on-line: um ambiente de aprendizagem integrado distribuído


Gloria Lucia Moura Alves
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Brasil
gloria@aquarius.ime.eb.br
Nelson Maculan
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Brasil

 
Neide Santos
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Brasil
nsantos@mailx.infolink.com.br

Abstract

An Integrated Distributed Learning Environment (IDLE) may be defined as an integrated approach to education combining interactive capabilities of networking and multimedia with learner-centered instruction. Inside of the context of study and research in Optimization, in this article, an IDLE called for Otimização On-Line (OOL) is presented. OOL aims to provide larger access to Optimization updated knowledge in a longlife education approach and as a learning tool of the process of study of curricular contents of this string of research.
 

I. Introdução

O estudo de otimização é aplicado na resolução de problemas dos mais variados tipos e áreas de conhecimento. O desafio é encontrar soluções ótimas, ou mesmo aproximadas, para tais problemas. Neste contexto, a Otimização, tanto como área de estudo quanto em suas aplicações na Engenharia, constitui um domínio complexo. Uma das complexidades deste domínio é observada na dificuldade dos profissionais da área em encontrar soluções ótimas para os problemas reais com os quais se defrontam. Também é imperativo a contínua atualização de seus conhecimentos, para melhorar a qualidade e a competitividade dos serviços que prestam. Domínios complexos com constante geração de novos métodos e técnicas requerem novos formatos de formação e atualização profissionais. Entre estes formatos, encontra-se a educação à distância apoiada nas tecnologias da Internet. Mas, a adoção deste enfoque educacional ainda é tímido, quer seja como mecanismo para a educação continuada ou como suporte adicional aos cursos de graduação e pós-graduação em Ciência da Computação. A educação à distância pode atingir novos públicos e promover o desenvolvimento de novas metodologias de ensino. Para esta modalidade de ensino nas últimas décadas propuseram-se várias teorias tentando abranger todas as suas atividades. Entre estas destacam-se as contribuições dos autores:

*Otto Peters, afirmando que a Educação à Distância é um produto da sociedade industrial. "O ensino à distância é um método de transmitir conhecimentos, habilidades e atitudes, racionalizando, mediante a aplicação da divisão do trabalho e de princípios organizacionais, assim como o uso extensivo de meios técnicos, especialmente para o objetivo de reproduzir material de ensino de alta qualidade, o que torna possível instruir um grande número de alunos ao mesmo tempo e onde quer que vivam. É uma forma industrial de ensinar e aprender."

*Michael Moore, desenvolvendo uma teoria composta por duas linhas de pensamento: a distância transacional e a autonomia do aprendiz. "A distância transacional ocorre entre indivíduos, mestres e aprendizes, num ambiente que possui característica especial de ambos estarem separados um do outro. Esta separação física conduz a lacunas de ordem psicológica e comunicacional originando freqüentemente um espaço potencial para a existência de situações de ruído na comunicação mestre- aprendiz".

*Borje Holmberg usando o conceito de comunicação didática orientada, tendo sido exposta pela primeira vez em 1983 "O termo Educação à Distância esconde­se sob várias formas de estudo. É uma teoria de ensino baseada na comunicação didática orientada, partindo do pressuposto que o pensamento em voz alta, o processamento elaborado de texto e a leitura em silêncio são considerados processos de comunicação".

* Demond Keegan, defendendo que a base teórica para a educação à distância pode ser encontrada nas teorias gerais da educação, se excluírem os aspectos relacionados com a comunicação oral ou a comunicação de grupos. Ao defender esta posição, ele entende que a educação à distância não é caracterizada pela comunicação interpessoal mas sim pela separação, no tempo e no espaço, dos atos de ensino relativamente aos atos de aprendizagem. [NUN94], [MAC96] e [AMU93] procuraram dar uma breve imagem das principais idéias manifestadas por estes autores. Com freqüência, afirma-se que a Internet é um enorme repositório de oportunidades educacionais. Recursos como sites de cursos, sites de referências, software para download, grupos de interesse, listas de discussão, salas de reuniões estão disponíveis, mas, no entanto, encontram-se dispersos. Nem sempre, ou quase nunca, o usuário localiza a informação desejada no tempo desejado. Algumas propostas de integração dos recursos da Internet têm sido oferecidas, entre elas os Ambientes de Aprendizagem Integrado Distribuído (em inglês, Integrated Distributed Learning Environments - IDLEs). Os IDLEs visam apoiar a criação e aplicação de cursos à distância. Tais sistemas se apresentam como solução de baixo custo e longo alcance tanto para a implementação de programas de educação continuada, como para apoio do processo de estudo de conteúdos curriculares na educação formal.

Dadas:
 

1. a complexidade dos estudos especializados na área de Otimização;
2. a possibilidade dos profissionais da área de Otimização terem acesso à educação continuada atualizando seus conhecimentos para melhorar a qualidade e a competitividade dos serviços que prestam;
3. a possibilidade de oferecer aos pesquisadores e futuros pesquisadores o uso das tecnologias associadas à rede Internet no desenvolvimento de cursos ministrados por profissionais da área de Otimização;
4. a possibilidade de utilizar-se dos Ambientes de Estudo Integrado e Distribuído com o propósito de auxiliar o entendimento do processo de busca de soluções ótimas para problemas de Otimização, e
5. a nova missão da Universidade e as alterações no papel do professor advindas da nova circunstância social, tecnológica e educacional baseada nas tecnologias de rede, a proposta deste trabalho refere-se ao desenvolvimento e aplicação de um IDLE como elemento coadjuvante ao estudo de problemas de Otimização.
 

II. Integrated Distributed Learning Environments (IDLES)

[SAN98] analisou propostas de uso das tecnologias de rede para fins educacionais, e por constatar a dispersão das propostas propôs uma taxonomia do uso de tecnologia de rede para fins educacionais. Um resumo apresentado pela autora faz-se através dos itens:

*Sistemas e aplicações hipermídia para fornecer instrução distribuída.

*Frameworks para aprendizagem cooperativa.

*Ambientes de comunicação/colaboração com fins educacionais baseados em listas e grupos *de discussão.

*Ambiente de aprendizagem cooperativa, sem tutoria.

*Ambientes de aprendizagem cooperativa, com tutoria.

*Sistemas de aprendizagem cooperativo à distância.

Na perspectiva de Sistemas e aplicações hipermídia para fornecer instrução distribuída, [SAN98] observou três modalidades:

*cursos usando recursos multimídia, com objetivos educacionais definidos, tarefas a serem realizadas pelos alunos, formas de avaliação e suporte para comunicação com pares e com o professor. Tais cursos não estão via de regra disponibilizados gratuitamente;

*cursos no formato hipertexto, compostos de páginas Web, seguindo o modelo de capítulos de livro texto, normalmente sem tutoria; e

*sistemas de autoria para cursos à distância. Na perspectiva de frameworks, encontram-se alguns protótipos, entre eles [SANT98].

Na perspectiva dos ambientes e/ou sistemas de aprendizagem cooperativa, verificam-se a adoção da Web como um ambiente educacional e a expectativa de uma transição viável do ensino convencional para a educação à distância. Esta transição motivou a elaboração dos Ambientes de Estudo Integrado e Distribuído (em inglês, Integrated Distributed Learning Environments - IDLEs). McGreal [MCG98] define IDLEs como aplicações cliente/servidor que usam o protocolo padrão Internet e estão voltadas especificamente para aplicações educacionais. Atualmente há uma variada gama de produtos, entre eles, WebCT [BAR98], LearningSpace [PAN99], TopClass [CAV99], AulaNet [CRES98] e outros [SAN99]. No entanto, observa-se que estes sistemas são voltados para objetivos e domínios genéricos, visando atender a uma clientela ampla e difusa, tanto nas Universidades quanto em empresas. Aplicações educacionais geradas com este tipo de sistema apoiam-se, via de regra, em apostilas eletrônicas, não se mostrando efetivos para o estudo de conceitos, que necessitam da «dimensão experimental», quer com «experiências reais» quer com «experiências conceituais». No entanto, o papel do computador na educação é o de estimular desafios, encorajar curiosidades, enfatizando a experimentação e o estudo ativo. Seguindo esta ótica e no contexto de desenvolvimento de estudo e pesquisas em Otimização, reunimos algumas características do portais temáticos e a concepção dos IDLEs, para propor o ambiente Otimização On-Line.
 

III. Otimização on-line - OOL

III.1 Objetivo

Otimização On-Line é um ambiente integrado e distribuído para o estudo de temas específicos de Otimização, apoiado em diversas ferramentas de exibição de conteúdo, de comunicação, cooperação e coordenação, disponíveis hoje na Internet. OOL está sendo projetado de forma a atender tanto a alunos regularmente matriculados em cursos de graduação e pós- graduação na área, como a profissionais que necessitem de educação continuada.

III.2 Descrição

Otimização On-Line pode ser usado tanto para criação de temas de estudo ou como interface de estudo on-line de problemas de Otimização. Suas principais características são:

* um template para a criação e exibição de páginas de conteúdos. Este template visa facilitar o trabalho do instrutor/professor no desenvolvimento de um tema de estudo;

* um conjunto de ferramentas facilitadoras do aprendizado: textos on-line, planejamento de atividades, exemplos, exercícios, laboratório de aprendizagem, site de referências, simulações de conceitos através de sistemas algébricos (Maple) etc;

* um conjunto de ferramentas para comunicação e cooperação: e- mail, lista de discussão, quadro de avisos, sala de reunião etc.;

* um conjunto de ferramentas de coordenação do estudo do tema;

* um conjunto de ferramentas para criação de temas ou para exibição de material para temas existentes. OOL diferencia-se de propostas análogas por:

*fornecer suporte para simulações de sistemas algébricos, desenvolvidos em softwares algébrico como o Maple, por exemplo;

*fornecer suporte para aprendizagem cooperativa com especificidades na área de Otimização;

*fornecer suporte para simulações on-line de problemas de Otimização;

*fornecer suporte para diferentes formatos de estudo em um mesmo ambiente de aprendizagem.

III.3 Características dos Usuários

OOL atende a dois tipos de usuários: aprendizes e instrutores/professores. Aprendizes são os usuários que somente tem acesso às páginas disponibilizadas pelos instrutores. Os materiais instrucionais disponíveis aos aprendizes podem incluir várias unidades com textos, laboratório e testes. Para implementar vários formatos de estudo oferecidos pelo ambiente, cada aprendiz ou grupo de aprendizes que estiver matriculado, terá acesso ao material instrucional e o sistemas oferecerá:

*páginas com os conteúdos dos temas. Essas páginas além de apresentarem o conteúdo do *tema terá também uma descrição da dinâmica de estudo;

*correio eletrônico. OOL terá incluído um sistema de mensagens entre os usuários que estão cadastrados. Além disso, cada página do tema estudado conterá um link que permitirá enviar perguntas pertinentes aos conteúdos estudados diretamente para o instrutor;

*facilidades de discussão em grupo. Cada grupo cadastrado no sistema terá a sua disposição um fórum de discussão onde todos os aprendizes podem ler e escrever mensagens, que estarão disponibilizadas para todos os demais integrantes do grupo de estudos;

*submissão e correção de avaliações. Avaliações são páginas em HTML que conterão testes de auto-avaliação para os aprendizes. Os testes gerados no sistema poderão ser automaticamente corrigidos ou enviados para posterior correção pelo professor; matrícula on-line. Ao aprendiz será permitido a matrícula em vários temas de estudo.

Instrutores/autores são usuários com direitos de criação e alteração dos temas de estudo. Os instrutores serão responsáveis pela manutenção das páginas dos temas e também da inscrição dos aprendizes. As tarefas dos instrutores serão:

*criar e/ou editar temas;

*dar suporte aos aprendizes;

*monitorar as áreas de discussão;

*correção de testes, quando necessário;

*respostas às perguntas e dúvidas dos aprendizes.

III.4 Arquitetura do Otimização On-Line

Otimização On-Line foi concebido para trabalhar em conjunto com o servidor Web possuindo um esquema de autenticação de acesso aos autores e/ou aprendizes, sendo composto por três componentes principais:

*interface principal: componente de gerência do sistema sendo responsável pela integração de suas partes;

*ambientes de autoria: destinam-se aos autores e possui um conjunto de ferramentas para criar ou atualizar os temas de estudo e a conseqüente disponibilização deste material no ambiente Web; e

*ambiente de navegação: destinam-se aos aprendizes do ambiente. As arquiteturas dos ambientes SABER, [SAN94], e EduSystem, [MTS99], com as devidas adaptações, servirão respectivamente como modelo arquitetural dos ambientes de autoria e navegação do OOL.

Otimização On-Line é um sistema de arquitetura modular cliente X servidor, onde está desenvolvida a interface do ambiente, e CGI (Common Gateway Interface), que implanta toda a funcionalidade do servidor.

Os objetos manipulados pelo ambiente estão armazenados em uma base de dados, que é a responsável pela persistência desses objetos. As bases de dados estão distribuídos em cinco categorias.

1. Base de dados de material didático.
2. Base de dados de objetos multimídia.
3. Base de dados de material da sessão de Cooperação/Comunicação.
4. Base de dados de material acadêmico.
5. Base de dados de gerenciamento.

A interface entre a base de dados e a aplicação é feita por uma camada de objetos CGI. Essa camada é responsável pela manipulação de todas as informações do ambiente e também pela integração do OOL com ferramentas externas, utilizadas para realizar alguns de seus serviços, como grupo de discussão e transferência de arquivos via WWW (file upload).

III.5 Funcionamento e Cenários de Uso

III.5.1 Interface Principal

A interface principal como já dito é um componente de gerência do sistema sendo responsável pela integração de suas partes. O funcionamento da interface principal caracteriza-se pela manipulação de todas as informações do ambiente e também pela integração do Otimização On-Line com ferramentas externas, utilizadas para realizar alguns de seus serviços. Os servidores OOL, tanto de autoria quanto de aprendizado são clientes da interface principal.

III.5.2 Ambientes de Autoria

O processo de funcionamento do ambiente de autoria com o sistema OOL é diferente de alguns IDLEs tradicionais em que, depois da seleção dos conteúdos, o autor procede à sua divisão por capítulos, envia a informação necessária aos produtores e, finalmente, monta o produto final. Quando um material produzido segundo a processo tradicional se encontrar desatualizado ou necessitar de correções, este processo é recomeçado uma vez mais para produzir um novo produto completo. Um ponto importante consiste na manutenção da consistência de conteúdos e notação dentro dos temas de estudo produzidos por diversos autores.

A filosofia do sistema OOL permite encurtar parte ou partes deste processo e simplificar outras. Por exemplo, quando um autor estiver a selecionar os materiais para produzir um novo tema, poderá pesquisar materiais já existentes na base de dados, e proceder à sua imediata integração no novo tema. Todos os autores poderão interagir entre si no ambiente OOL, quer em tempo real, através dos chat (voz e texto), quer em tempo previsto, através de mensagem por correio eletrônico e mural. Os autores podem igualmente empregar layouts previamente definidos, adaptando-os às suas necessidades. Terminado este processo, o material está pronto para a sua disponibilização no servidor OOL. Para realizar a interação do autor com o OOL, este liga-se ao sistema com nome e senha (via Internet) e será criado um diretório com seu nome. Com esta conta o ambiente oferece os recursos descritos a seguir. Criação de um temas de estudo no servidor . Neste módulo o Otimização On-Line oferece a possibilidades de utilizar as bibliotecas e repositórios de soluções de problemas, e o material oferecido para a criação de temas. Isto permitirá, além de efetuar download dos materiais necessários para a implementação, o autor tem a sua disposição templates que o auxiliaram na confecção do tema de estudo. Atualizar temas existente. Neste módulo o autor efetua download do tema de estudo, com recursos e conteúdos que quer alterar.

Upload do conteúdo para o servidor. O conteúdo do tema de estudo pode ser "uploaded" da máquina do autor para a máquina do servidor do OOL. O ponto principal deste processo de autoria é a possibilidade e facilidade em melhorar ou complementar temas existentes sem necessitar de refazer todo processo. Devido à modularidade, os autores podem, a qualquer momento, modificar uma parte de um curso, substituindo apenas alguns dos módulos e sem necessitarem de afetar todo o tema. É igualmente possível criar um novo curso a partir de um já existente, pelas simples introdução de novos módulos alternativos ou ainda pela modificação dos recursos especificados nos níveis correspondentes à estrutura. Convém notar ainda que a modificação de um módulo não afeta quaisquer outros módulos do mesmo tema, nem tem quaisquer efeitos sobre a sua interface dado que os módulos são auto-suficientes.

III.5.3 Ambiente de Navegação

O Ambiente de Navegação permite ao aprendiz acessar os temas de estudo oferecidos pelos autores. Seguindo o modelo do SABER, [SANT94, esta navegação pode ser realizada através de, navegação livre, consultas estruturadas e navegação assistida. Os aprendizes serão cadastrados nos temas de estudo individualmente. As informações pertinentes a cada aprendiz serão armazenadas em um banco de dados do Otimização On-Line e também será fornecido o direito de alterar a sua própria senha quando necessário. Os temas de estudo estarão organizados a partir do conceito de uma página principal, que funcionará como ponto de partida para todas as demais páginas. O ambiente de cada tema de estudo será composto de três áreas de navegação.

(a).Área Fixa. Nesta área todos os temas terão um portal fixo a qualquer tipo de navegação escolhida pelo usuário. Neste portal são oferecidos o ambiente cooperativo e de buscas estruturadas.
(b). Área de Menu. Nesta área, os aprendizes terão acesso aos recursos de estudo oferecidos pelo autor/professor.
(c). Área de Exibição. Esta é área de visualização das áreas anteriores.

A seguir, descreveremos os recursos oferecidos para o estudo dos temas que são distribuídos através do perfil dos seus usuários.

Recursos de navegação disponíveis para aprendizes

*Informação geral: contem informações sobre o funcionamento do ambiente (Estrutura do Ambiente) e sobre a metodologia e a organização do curso (Dinâmica de Curso).

*Conteúdos: neste recurso localizam-se páginas com os conceitos pertinente ao tema.

*Agenda: uma organização em ordem cronológica das atividades propostas nos temas de estudo.

*Quadro de Avisos: fornece um meio de manter os aprendizes informados sobre as novidades durante o desenrolar do tema de estudo.

*Material de Apoio: apresenta materiais úteis relacionados aos conteúdos abordados, subsidiando o desenvolvimento das atividades propostas tais como: consultas em textos e artigos relacionados à temática do tema de estudo, área de download etc.

*Utilitários: contem uma relação das perguntas realizadas com maior freqüência e também permite altera a senha.

*Mural: espaço reservado para todos os participantes disponibilizarem informações consideradas relevantes no contexto do tema,

*Grupos de Discussão: um recurso de comunicação assíncrona.

*Ponto de Encontro: um recurso de comunicação síncrona, permitindo reuniões em tempo-real entre os usuários. Essa comunicação pode ser realizada em forma de "texto" e "voz".

*Mensagem: consiste de em um mecanismo interno de envio de mensagem ao autor do tema.

*Laboratório On-Line: um recurso que oferece ao aprendiz um espaço de experimentação e de estudo ativo realizando simulações dos problemas abordados nos temas oferecidos.

*Avaliação: consiste de um sistema de avaliação que é interno ao ambiente. A avaliações podem ser realizadas através de; listas de exercícios, auto-avaliação e uma avaliação final.

*Buscas na Internet: um recurso que realiza pesquisas simultaneamente os sites de busca da Internet mais conhecidos.

*Banco de Problemas: um recurso que oferece repositórios de problemas da área de Otimização fornecidos pelos aurores. Recursos de navegação disponíveis para os autores dos temas de estudo.

Tais recursos serão oferecidos aos instrutores/ autores, e deverão permitir a edição de cada um deles. Além disso, os formadores destes temas terão acesso a outras ferramentas que serão desenvolvidas para facilitar o processo de aprendizagem de cada tema.

*Informações instrutor: contem informações úteis sobre os recursos que podem ser utilizados pelo professor.

*Criar curso novo: uma funcionalidade que permite a criação de um tema novo através de ferramentas fornecidas pelo ambiente.

*Editar curso existente: uma funcionalidade que permite alterar conteúdos dos temas existentes.

*Criar fórum: uma funcionalidade que possibilita a criação de fórum de discussões. Cada grupo cadastrado no sistema tem a sua disposição um fórum de discussão editado pelo professor do tema.

Podemos observar através dos recursos oferecidos que o Otimização On-Line está sendo projetado para oferecer condições para que o aprendiz evolua continuamente satisfazendo suas necessidades de crescimento pessoal. E, visa também apoiar a aprendizagem cooperativa em um ambiente distribuído o que possibilita a formação continuada de profissionais que necessitam de conhecimentos relativos a área de Otimização- eles podem permanecer em seus locais de trabalho enquanto aprendem. E podem aprender trabalhando em pequenos grupos que se "encontram" com o auxilio dos recursos que promovam os encontros virtuais.

III.6 Formatos de Estudo

III.6.1 .Estudo Individual

Nesta forma de estudo, é oferecido ao aprendiz a oportunidade do desenvolvimento livre e espontâneo, porém, visando o alcance dos objetivos educacionais prescritos. A motivação do aprendiz dependerá da força de estimulação do problema e das disposições internas e interesses do próprio aprendiz. Assim, o aprendizado torna-se uma atividade de descoberta e de autonomia, sendo o ambiente apenas o meio estimulador. Dependendo do caso a ser resolvido, o aprendiz deverá investigar as possíveis soluções, e discuti-las com o autor do tema, desenvolver o modelo mental de representação, solucionar o problema e transcrever a solução. Este paradigma reflete um modelo didático pautado em um ambiente de aprendizagem que utiliza a relação professor/estudante/conteúdo, através de uma interface informatizada.

III.6.2 Estudo em Grupo

A pesquisa realizada por [SANT98] sobre o desenvolvimento dos recursos computacionais para uso em educação destaca-se: a Aprendizagem Cooperativa Distribuída e os Fundamentos Educacionais da Aprendizagem Cooperativa. Este trabalho, nos motivou a desenvolver o 'Espaço de Cooperação/ Comunicação' no OOL.

A incorporação deste espaço deverá ser prevista no plano de cada tema de estudo, que seguirá os aspectos relatados pela referida autora. O estudo em grupo é voltada para a produção cooperativa de textos sobre temas propostos pelos autores e/ou aprendizes. A produção cooperativa tem o apoio das listas de discussão, chat (texto e voz) e o mural virtual. No 'Espaço de Cooperação/ Comunicação', há oportunidade de comunicação e de cooperação livre entre usuários, para a solução de problemas da área de Otimização.

III.6.3 Solução de Problemas

Atualmente existem softwares de interface de alto nível, programáveis, e que são capazes de manipular dados algébricos, numéricos, gráficos e de fazer simulações. Este formato de estudo pretende que aprendizes do sistema proposto conheçam recursos computacionais oferecidos por softwares algébricos, com propósito de resolverem problemas teóricos ou práticos interativamente. Para tanto, além de material didático e links de referência, o ambiente disponibiliza um repositório de problemas de Otimização, com as respectivas soluções detalhadas, desenvolvido em Maple. Novos problemas podem ser incluídos e outro software que não Maple pode ser usado. O ponto principal deste enfoque é apresentar problemas relacionados com área bem como, sua organização em forma sistemática através do Maple V. O Maple foi escolhido nas implementações iniciais por ser uma linguagem de programação compreensiva com uma sintaxe intuitiva, facilidade de procura e eliminação de um artifício, unicamente extensivo a tipos de informação, e facilidade de ajuda. O ambiente de um documento em Maple, denominado por worksheet é completamente capaz da preparação do documento técnico permitindo hyperlinks e outras funções. Na versão inicial, as implementações do Maple dar-se-á através dos problemas de programação linear descritos a seguir.

1. Método Gráfico em Programação Linear com o Maple
2. Problema de Maximizar Lucro com o pacote simplex do Maple.
3. Problema de Minimizar Custo com o pacote simplex do Maple.

A idéia de variável artificial e o problema de duas fases é introduzido.
4. Análise do Algorítmo Simplex sem usar o pacote simplex do Maple, no sentido de analisar todos os passos do Método do Simplex.
5. Forma Tabular do Algorítmo Simplex, mostrando os passos do método simplex na forma de quadros.
6. Instruindo o Maple para Transportar o Método Simplex.
7. Dualidade em Programação Linear, usando o procedimento 'dual' do pacote do simplex para encontrar um problema dual de um problema dado.
8. Ponto Ótimo Múltiplo e Função Objetiva Ilimitada, ilustrando como usar o método simplex para demonstrar que a função objetiva pode ser ilimitada na região viável e também mostrando como podemos ter múltiplos pontos que são ótimos.
9. Métodos: Big M e Duas Fases, mostrando um problema usando o método do Big M e este, será comparado com o método das duas fases para obter uma solução viável.
10.Regra de Bland, apresentando um exemplo cíclico e utilizando a Regra de Bland.

Desenvolver formas de visualizar e analisar conceitos matemáticos através do uso de um sistema de representação gráfica afeta positivamente o aprendizado. Este material contribui com um novo perfil para o estudante. É importante ressaltar que este material não é simplesmente um uso de comandos do Maple, e sim uma análise de conceitos através do software algébrico.

III.6.4 Simulação On-Line

Esta forma de forma de estudo demonstra que a Internet pode ser utilizada como recurso computacional, não somente como um veículo de informação e comunicação. Através de mini aplicativos denominados por "máquinas on-line" é possível resolver um problema diretamente da Web. Estes mini aplicativos estão escritos na linguagem Java, uma linguagem de sistema, orientada por objetos e com a aparente vantagem de ser independente de qualquer plataforma. Uma das principais novidades desta linguagem consiste numa classe especial 'Applet', que permite a criação de pequenos programas passíveis de serem executados 'dentro' de uma página HTML.

Na realidade as maquinas on-line são 'Applet' que habilitarão os aprendizes a encontrar soluções diretamente da página denominada por 'Laboratório'. Na versão inicial estão previstas as "máquinas on-line1" descritas a seguir.

*Operações com Linhas em Matrizes: um aplicativo para efetuar operações com linhas de uma matriz.
*Programação Linear Graficamente: um aplicativo que tem por função visualizar a solução gráfica de problemas de programação linear bidimensional.
*Máquina Simplex: um utilitário para resolver Problemas de Programação Linear com o Método do Simplex.
 

IV. Temas de estudo Apresentado na versão inicial do otimização on-line

Na versão inicial está previsto o estudo dos seguintes temas:

* Programação Linear - Método do Simplex [MAC98]
* Álgebra Linear com o Maple V
* Problemas de Programação Linear com o Maple V
* Teoria de Poliedros Os recursos oferecidos para esses temas estão distribuídos através do perfil dos seus usuários.
 

V. Conclusão

Com certeza, não existe solução universal para todos os problemas e desafios encontrados no gerenciamento de ensino a distância. Devemos ter cuidado em escolher a combinação correta de tecnologias e teorias para dar suportar a requisitos específicos de aprendizagem Otimização On-Line pretende ser um ambiente, composto por ferramentas específicas para o estudo e pesquisa dos problemas de otimização. Para tanto, propõe, além dos principais recursos dos IDLEs existentes, um espaço de experimentação ativa em laboratório, permitindo simulações dos conteúdos abordados.
 

Referèncias